Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Governo federal

04/05/2018 - 11h46min. Alterada em 04/05 às 11h46min

Financiamento do governo atingiu os R$ 450,8 bilhões em 2016, diz IBGE

A necessidade de financiamento do governo atingiu R$ 450,8 bilhões em 2016, ou 7,2% do Produto Interno Bruto (PIB) naquele ano, conforme calculado pelas Contas Nacionais Trimestrais, segundo a publicação Estatísticas de Finanças Públicas e Conta Intermediária de Governo 2016, divulgada nesta sexta-feira (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2015, a necessidade de financiamento do governo atingiu R$ 517,6 bilhões, ou 8,6% do PIB.
A necessidade de financiamento do governo atingiu R$ 450,8 bilhões em 2016, ou 7,2% do Produto Interno Bruto (PIB) naquele ano, conforme calculado pelas Contas Nacionais Trimestrais, segundo a publicação Estatísticas de Finanças Públicas e Conta Intermediária de Governo 2016, divulgada nesta sexta-feira (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2015, a necessidade de financiamento do governo atingiu R$ 517,6 bilhões, ou 8,6% do PIB.
"Em 2016 o resultado foi influenciado principalmente pela queda das despesas líquidas com juros, que passaram de R$ 505,3 bilhões em 2015 para R$ 375,1 bilhões em 2016. Esta redução foi mais do que suficiente para compensar um ritmo de crescimento menor das receitas de impostos e contribuições sociais (4,6% e 4,9%, respectivamente) e o avanço das despesas com benefícios sociais (13,6%)", diz a nota divulgada pelo IBGE. O resultado operacional líquido (receita menos a despesa, excluindo os gastos com aquisição líquida de ativos não financeiros) também ficou negativo em R$ 459 bilhões em 2016.
A formação bruta de investimentos do governo, medida pela Conta Intermediária de Governo, apresentou queda nas esferas municipal, estadual e federal, variando de R$ 101,9 bilhões em 2015 para R$ 92,7 bilhões em 2016. "Todas as esferas de governo apresentaram queda nesse agregado, e a mais acentuada foi na esfera estadual, onde a FBCF caiu 13,6%, indo de R$ 34,5 bilhões em 2015 para R$ 29,9 bilhões em 2016", diz a nota do IBGE.
A publicação Estatísticas de Finanças Públicas e Conta Intermediária de Governo é uma parceria do IBGE com a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e o Banco Central (BC). "O trabalho mantém o propósito de promover o intercâmbio e o compartilhamento de informações contábeis e fiscais entre a Secretaria do Tesouro Nacional, o Banco Central do Brasil e o IBGE para fins de aprimoramento das contas do setor governo", diz a nota do órgão de estatística.