Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Conjuntura

04/05/2018 - 08h31min. Alterada em 04/05 às 09h11min

Inflação da baixa renda sobe 0,31% em abril, aponta FGV

A principal influência de crescimento foi exercida pelo item botijão de gás que atingiu 0,84%

A principal influência de crescimento foi exercida pelo item botijão de gás que atingiu 0,84%


PEDRO VENTURA/ABR/JC
O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) subiu 0,31% em abril, após a ligeira alta de 0,08% registrada em março, informou na manhã desta sexta-feira (4) a Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador é usado para mensurar o impacto da movimentação de preços entre famílias com renda mensal entre um e 2,5 salários mínimos. Com o resultado, o índice acumulou alta de 0,88% no ano e avanço de 1,65% em 12 meses.
O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) subiu 0,31% em abril, após a ligeira alta de 0,08% registrada em março, informou na manhã desta sexta-feira (4) a Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador é usado para mensurar o impacto da movimentação de preços entre famílias com renda mensal entre um e 2,5 salários mínimos. Com o resultado, o índice acumulou alta de 0,88% no ano e avanço de 1,65% em 12 meses.
Em abril, o IPC-C1 ficou abaixo da variação da inflação média apurada entre as famílias com renda mensal entre um e 33 salários mínimos, obtida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que teve alta de 0,34% no mês. No acumulado em 12 meses, a taxa do IPC-BR também foi superior, registrando 2,98%. As principais influências em sentido ascendente e descendente partiram dos itens: botijão de gás (-0,11% para 0,84%) e tarifa de eletricidade residencial (1,01% para 0,48%), respectivamente.