Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Imóveis

Notícia da edição impressa de 04/05/2018. Alterada em 04/05 às 11h51min

Feirão oferta mais de 9 mil imóveis em Porto Alegre

ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
Paulo Egídio
Porto Alegre será uma das primeiras cidades brasileiras a receber a 14ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria. O feirão começa nesta sexta-feira e vai até domingo no Centro de Eventos da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs). Até 2017, o evento era montado no Centro de Eventos da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs). Segundo a Caixa, a mudança buscou facilitar o  acesso dos compradores.
Porto Alegre será uma das primeiras cidades brasileiras a receber a 14ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria. O feirão começa nesta sexta-feira e vai até domingo no Centro de Eventos da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs). Até 2017, o evento era montado no Centro de Eventos da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs). Segundo a Caixa, a mudança buscou facilitar o  acesso dos compradores.
Mais de 9 mil imóveis novos e usados serão ofertados em todas modalidades e linhas de crédito habitacional do banco, que responde por cerca de 70% das operações para aquisição da casa própria no País. Na lista, estão mais de 6,9 mil unidades novas e 2,8 mil usadas.
A maioria dos imóveis está enquadrada no programa Minha Casa Minha Vida, com valores entre R$ 117 mil e R$ 215 mil, com juros mais baixos e uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Outros, de maior valor, podem chegar a até R$ 3 milhões. De acordo com a Caixa, não há uma renda mensal mínima exigida para a obtenção do crédito imobiliário, já que o valor financiado será proporcional aos rendimentos do adquirente.
Para requerer o crédito da casa própria, basta levar documento de identidade, CPF e comprovantes de renda e residência atualizados. O evento será realizado das 10h às 20h na sexta-feira e no sábado, e das 10h às 18h no domingo. Neste ano, ocuparão os estandes do evento 34 imobiliárias, 10 correspondentes imobiliários da Caixa e 30 construtoras. 
O 14º Feirão da Casa Própria da Caixa será realizado em 15 cidades do Brasil até o dia 27 de maio. No total, serão oferecidos 179 mil imóveis novos e 23 mil usados. 
Além de Porto Alegre, São Paulo e Salvador recebem o evento no próximo fim de semana. Na sequência, será a vez das cidades de Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Uberlândia, Goiânia e São Luís, entre 18 e 20/05. Por último, o feirão será realizado em Brasília, Belém, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza e Recife, do dia 25 ao dia 27/05.

Como usar o FGTS para aquisição

São três possibilidades de uso:
1 - Compra e construção: para quem deseja comprar ou construir um imóvel residencial, o saldo do FGTS pode ser utilizado para pagar uma parte ou até o valor total do imóvel.
2 - Amortização ou liquidação do saldo devedor:para quitar parcial ou totalmente o saldo devedor, desde que o contrato de financiamento tenha sido assinado no âmbito do Sistema Financeiro Habitação.
3 - Pagamento de parte do valor das prestações:é possível diminuir em até 80% o valor das prestações em até 12 meses consecutivos, desde que o contrato tenha sido assinado no âmbito do Sistema Financeiro Habitação.

Vendas do comércio da construção civil crescem 4%

Mais de 60% dos entrevistados esperam alta de 10% no prazo de 30 dias
Mais de 60% dos entrevistados esperam alta de 10% no prazo de 30 dias
CLAITON DORNELLES/JC
As vendas do comércio varejista da construção civil no País fecharam os quatro primeiros meses do ano (janeiro a abril) com crescimento acumulado de 4% na relação com os quatro primeiros meses de 2017. Quando comparado a abril do ano passado, abril deste ano também acusa crescimento de 4%.
Os dados fazem parte de pesquisa sobre o setor, divulgada hoje (3), no Rio de Janeiro, pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco). Quando a comparação se dá com março deste ano, o comércio da construção civil amarga queda de 4%.
Para o presidente da Anamaco, Cláudio Conz, mesmo com os dados mostrando que as empresas "estão se recuperando do ponto de vista do faturamento, uma vez que o crescimento é nominal, para se ter uma melhor avaliação do setor é importante a verificação dos dados levando-se em conta a inflação dos produtos comercializados".
Para ele, "reformas e expansão de imóveis dependem de confiança e espaço para investimentos de médio e longo prazo, cujas condições de juros e financiamentos para a compra da casa própria começam a ser oferecidas abaixo dos 10% ao ano''.
Uma análise da pesquisa feita pelo índice dessazonalizado (mês comparativamente ao mês anterior) o estudo anotou desempenhos negativos em todas as regiões do País. No Nordeste, as vendas caíram 16%; no Norte, 11%; no Sudeste 10%; no Centro-Oeste 9% e no Sul, 2%.
A pesquisa ouviu 530 lojistas de todo o País entre 24 e 27 de abril. A partir do levantamento, a associação constatou que os lojistas, apesar da queda no índice dessazonalizado, acreditam que irão recuperar parte das vendas em maio.
Cerca de 62% dos entrevistados esperam que as vendas cresçam 10% nos próximos 30 dias. A pesquisa apurou também que 42% das lojas pretendem fazer investimentos nos próximos 12 meses e que cerca de 18% das entrevistadas têm intenção de contratar funcionários ainda este mês.