Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

03/05/2018 - 08h42min. Alterada em 03/05 às 08h42min

Petróleo opera em baixa, mas incertezas sobre Irã estabelecem piso para cotações

Os contratos de petróleo operam em baixa nesta manhã de quinta-feira (3), revertendo ganhos da madrugada, mas próximos dos maiores níveis em mais de três anos, com incertezas sobre o futuro do acordo nuclear do Irã ajudando a estabelecer um piso para as cotações da commodity.
Os contratos de petróleo operam em baixa nesta manhã de quinta-feira (3), revertendo ganhos da madrugada, mas próximos dos maiores níveis em mais de três anos, com incertezas sobre o futuro do acordo nuclear do Irã ajudando a estabelecer um piso para as cotações da commodity.
Às 8h28min (de Brasília), o barril do Brent para julho caía 0,61% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 72,91, enquanto o do WTI para junho recuava 0,12% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 67,85.
Investidores aguardam posição mais clara do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre o acordo nuclear internacional de 2015 que aliviou sanções contra o Irã em troca de restrições às atividades nucleares de Teerã. Trump deverá tomar decisão final sobre o assunto até o próximo dia 12, e há o risco de que Washington restaure punições ao Irã.
"As principais sanções que afetam o mercado de petróleo são restrições dos EUA a bancos estrangeiros que realizam transações com o banco central do Irã e isenções que sejam apenas concedidas se importadores reduzirem significativamente as importações de petróleo iraniano", comentou Edward Bell, analista do Emirates NBD Bank em Dubai.
No passado, sanções ao Irã reduziram as exportações de petróleo do país em torno de 1 milhão de barris por dia, ajudando a sustentar os preços da commodity. No último mês, os preços do petróleo saltaram cerca de US$ 5 por barril, impulsionados por esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de outros produtores para reduzir sua oferta e também por riscos geopolíticos.