Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

MÚSICA

Notícia da edição impressa de 08/05/2018. Alterada em 07/05 às 17h55min

Releitura de uma época: João de Almeida Neto canta Nelson Gonçalves em show na Capital

Artista gaúcho homenageia um dos maiores ícones da música popular brasileira

Artista gaúcho homenageia um dos maiores ícones da música popular brasileira


RICARDO STRICHER/DIVULGAÇÃO/JC
Caroline da Silva
Depois do grande sucesso da estreia, em 17 de outubro de 2017, no Teatro do Bourbon Country, no lançamento do CD Boêmios - João de Almeida Neto canta Nelson Gonçalves (Independente, 14 faixas, R$ 29,90 na Minuano Discos), o artista retorna com a atração na qual homenageia um dos maiores ícones da música popular brasileira. Nesta quarta-feira (9), o intérprete faz o segundo show em Porto Alegre do álbum, em que o cantor e compositor gaúcho canta músicas interpretadas por Nelson Gonçalves na década de 1950. O repertório é inspirado nessa época de ouro da música popular brasileira.
O espetáculo está em turnê pelo Estado: nesta quarta-feira, às 21h, no Theatro São Pedro (TSP - praça Marechal Deodoro, s/nº), na Capital; na sexta-feira, às 21h, em Uruguaiana, no Teatro Rosalina Pandolfo Lisboa (Quinze de Novembro, 1.844); e no domingo, às 20h, em Santa Maria, no Theatro Treze de Maio (Saldanha Marinho, s/nº). Disponíveis na bilheteria e no site do TSP , os ingressos para a apresentação custam entre R$ 40,00 e R$ 80,00.
Almeida Neto lembra que sua carreira tem reconhecimento em outro nicho: "Eu tenho um grande público do movimento nativista, durante todo esse tempo que eu tramito na música regional, e acho que consegui agregar alguma parcela". O artista crê que a boa adesão da estreia se deve ao fato de os fãs enxergarem a apresentação como uma oportunidade de rever o repertório de outro gênero musical, o choro, a seresta, de um outro tempo. "Isso foi legal, reuni a gauchada com o pessoal da boemia."
As semelhanças entre João de Almeida Neto e Nelson Gonçalves vão além da voz grave e potente. Ambos são gaúchos, cantaram juntos nos bastidores e compartilharam da paixão pela boemia. Nascido em Santana do Livramento, fronteira do Rio Grande do Sul, e criado em São Paulo, foi no Rio de Janeiro que Nelson Gonçalves (1919-1998) viveu e consolidou sucesso, consagrando-se como o Rei do Rádio. Seu estilo marcante inspirou várias gerações. Gravou mais de duas mil canções e conquistou inúmeros prêmios e condecorações ao longo da carreira.
Músico, cantor e compositor, João de Almeida Neto é considerado um dos mais importantes intérpretes da música regional gaúcha. Vencedor de inúmeros festivais nativistas, conquistou vários troféus, entre eles o Açorianos de Melhor Intérprete Regional e as comendas Lupicínio Rodrigues e Vítor Mateus Teixeira. Possui 13 discos gravados, um DVD e diversas coletâneas, com um intenso roteiro de shows, incluindo Argentina e Uruguai. Natural de Uruguaiana (nascido em 23 de novembro de 1956), é conhecido como a "Voz do Rio Grande".
A convivência pessoal que teve com o ídolo foi muito tênue, em pouco mais de 15 minutos, nos camarins do programa de Glênio Reis na rádio Gaúcha. E, numa brincadeira, cantaram uma música juntos. "Eu admirava ele como cantor desde criança, meu pai tinha discos do Nelson Gonçalves, do tempo da eletrola. E eu, desde logo, fiquei impressionado com aquela voz. Não encontro outra palavra para definir aquela voz além de bela. Uma coisa extraordinariamente diferente, um timbre maravilhoso, um grave espetacular, extensão de voz grande, muito afinado." Almeida Neto conta que sempre o considerou um grande intérprete e foi influenciado por ele na maneira de cantar, sendo o artista que mais admirou.
No repertório do show estão clássicos gravados por Gonçalves, como a A volta do boêmio, Sertaneja, A deusa da minha rua, Normalista, Naquela mesa, Matriz e filial, o tango Carlos Gardel e o fado Nem às paredes confesso. De Lupicínio Rodrigues, outro gaúcho cuja importante trajetória está ligada à boemia, constam duas faixas: Se acaso você chegasse e Cadeira vazia.
No palco, o espetáculo une diferentes gerações de músicos. O cantor é acompanhado por um regional de choro formado pelos virtuosos João Camarero (violão 7 cordas), Samuca do Acordeon, Mathias Pinto (violão 6 cordas), Guto Wirtti (contrabaixo), Junior Pitta (violão 6 cordas), Rafael Toledo (pandeiro) e Lucas Arantes (cavaco). Somam-se a esse elenco convidados especiais: as cantoras Shana Muller e Nani Medeiros (que, no disco, participou do dueto De igual pra igual); o cantor Bebeto Alves; e os músicos Carlito Magallanes (bandoneon), Pedrinho Figueiredo (sax), Beto Chedid (guitarra portuguesa), Elias Barbosa (bandolim), Dunia Elias e Diogo Barcelos (teclado). A direção do show é do próprio João de Almeida Neto e do produtor Carlos Branco. O cenário virtual e as gravações que serão projetadas no palco são assinados pelo realizador Rene Goya Filho, da Estação Filmes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia