Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 23/05/2018. Alterada em 22/05 às 20h56min

Militares prontos para a luta

Os militares chegaram à conclusão que só poderão vencer a batalha, para ingressar na guerra da política, se ocuparem cadeiras nos Parlamentos e governos. Por isso, com todo o aprendizado e planejamento da caserna, saem dos quartéis e começam intensa jornada pelo País, com seus melhores soldados, armados com a palavra, buscando enfrentar a dura batalha por um Brasil melhor. Nos diversos estados, os candidatos vão à luta em apoio a seus companheiros, que buscam desde o Palácio do Planalto até a Assembleia Legislativa. É o jogo da democracia, sem golpe e sem armas, chegar ao poder pelo voto. Sinal dos tempos, e nada mais legítimo, fortalecendo um Brasil democrático.
Vitória da democracia
O deputado federal gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM) disse que não tem "nenhuma dúvida da vitória do processo democrático sobre o mecanismo que vivenciamos algumas décadas atrás, onde o Brasil teve que ser salvo pelas armas". Segundo o parlamentar, "isso mostra o amadurecimento do País, mostra que a caserna, as forças militares, tem consciência do momento importante que o País vive".
Endireitar o País
Na avaliação de Onyx, "a presença de militares tanto da ativa - pois eles têm essa prerrogativa de se candidatar - como da reserva na disputa eleitoral dos mais variados cargos brasileiros mostra essa mudança". O deputado exemplifica: "nós temos de presidente da República até deputado estadual, passando pelos governadores, senadores e deputados federais. Isso é uma contribuição extraordinária para um País que precisa endireitar", frisou. "A gente não pode esquecer que, durante décadas, se falar de direita no Brasil, liberal, conservador, era quase um pecado", afirmou Onyx Lorenzoni. Ele disse que "hoje nós temos alternativas de recuperação econômica e social, o caminho da centro-direita, o caminho da refundação do Brasil. O Brasil precisa ser refundado, recuperar valores, recuperar princípios", assinalou.
Candidatos militares
Rio Grande do Sul: Brigadeiro Dias (deputado federal), Coronel Napoleão (deputado federal), Tenente-Coronel Zucco (deputado estadual), Sargento Gavioli (deputado federal); Paraná: Coronel Figueiredo (deputado federal); Santa Catarina: Coronel Armando (deputado federal), Coronel Feres (deputado federal); São Paulo: General Peternelli (deputado federal), Coronel Cabral (deputado estadual), Capitão Castelo Branco (deputado federal). Um levantamento rápido mostra que 80% são filiados no PSL. Os demais distribuem-se por PSDB, PR, PRTB, Novo, Patriota, DEM, PHS, Pros, PTB e PSD.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Ivo Brusa 23/05/2018 11h41min
Eu li direito. Onix Lorenzoni????