Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 18/05/2018. Alterada em 17/05 às 20h01min

Epidemia de violência

"Governos do PT faziam olhar de paisagem diante da epidemia de violência", critica o deputado federal gaúcho Osmar Terra (MDB). Ele assinala que a crescente violência que assusta o Brasil começou a ser encarada de frente com a criação do Ministério da Segurança. Terra elogia a decisão do presidente Michel Temer (MDB). O parlamentar acredita que esta foi uma atitude correta: "É bom lembrar como foi olhada por décadas a questão da violência e drogas em particular a violência, filha da epidemia das drogas . Os governos do PT faziam um olhar de paisagem, como se não tivesse nada a ver com eles. Isso não começou agora, vem de muito tempo". Segundo o deputado, "os governos nunca assumiram a responsabilidade a condução de uma política nacional de segurança pública. Deixavam tudo para estados e municípios, que enfrentavam uma crise econômica e financeira sem igual".
Projeto Lava Toga
O deputado federal gaúcho Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara, e o deputado Waldih Damous (PT-RJ) apresentam conjuntamente projeto que chamam de "Lava Toga" e que "transformará privilégios de alguns juízes e procuradores que ganham mais de R$ 500 mil por mês em crime". Pimenta afirma que "o nosso país convive com inúmeras injustiças, com enormes distorções, e uma delas são os altos salários, são as vantagens indevidas, são as situações que persistem, criando uma casta de privilegiados, mas infelizmente são muito poucos que têm a coragem de enfrentar essas categorias que reúnem as distorções e se protegem, muitas vezes com o apoio da grande mídia".
Movimento pela BR-153
O reitor da Universidade de Passo Fundo, professor José Carlos de Souza, está em Brasília liderando um grupo de prefeitos da região do Planalto Médio, do Rio Grande do Sul, promovendo um movimento, buscando sensibilizar o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para a conclusão da BR-153, que necessita de pavimentação asfáltica de 68 quilômetros do trecho que liga o município de Passo Fundo a Erechim. O Comitê Executivo Pró-BR-153, composto pelo presidente e reitor da Universidade de Passo Fundo; o prefeito de Ipiranga do Sul, Mario Ceron; o deputado federal Ronaldo Nogueira; além de uma comitiva de prefeitos dos municípios da região.
Beneficiando oito municípios
O reitor José Carlos de Souza está confiante no sucesso da missão: "esperamos conseguir os recursos para licitar e viabiliza o projeto para a conclusão da obra. Esse trecho, da famosa Transbrasiliana, irá beneficiar diretamente oito municípios. "Agora, vamos buscar junto ao Ministério da Fazenda os valores para a obra, a liberação para dar início à licitação."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia