Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de maio de 2018.
Dia da Saúde.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Marco A. Birnfeld

Espaço Vital

Notícia da edição impressa de 29/05/2018. Alterada em 28/05 às 21h36min

Home care e o sofrimento de paciente com Alzheimer

Os planos de saúde podem estabelecer apenas as doenças para as quais oferecerão cobertura, mas não limitar o tipo de tratamento que será prescrito para o enfrentamento desses males - o que se constitui em incumbência do médico que assiste o paciente. Nesta linha, a 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça (TJ-RS) reformou sentença que havia negado tratamento domiciliar (home care) a uma mulher em estágio avançado de mal de Alzheimer.
Ela buscou judicialmente obrigar a Unimed Saúde S.A. a fornecer cuidadores, fisioterapeuta, medicamentos, fraldas, sondas e alimentos, com custo mensal estimado em mais de R$ 20 mil. Em contestação, a Unimed respondeu que os pedidos "não têm amparo contratual ou legal, pois a cobertura não foi incluída expressamente no contrato".
Pelo voto do desembargador Jorge André Pereira Gailhard - que orientou a decisão unânime que reformou a sentença -, o contrato se submete às normas do Código de Defesa do Consumidor, orientação expressa, inclusive, na Súmula nº 469 do Superior Tribunal de Justiça (STJ).
O acórdão pontua que "o médico que assiste a autora é profissional habilitado para prescrever o tratamento que entende ideal para o caso, não bastando, para afastar as suas conclusões, por si só, o parecer técnico juntado pela operadora de plano de saúde". A decisão deferiu o serviço postulado, a ser fornecido 24 horas por dia, como pretendido e indicado pela segurada-paciente (Proc. nº 70075841577).

Realidade violenta

Estão entre as maiores taxas de homicídios do Brasil as ocorrências em dois municípios abrangidos pelo complexo de Suape (PE). Em Ipojuca foram 152 homicídios por 100 mil habitantes, em 2017; e em Cabo de Santo Agostinho, 98 mortes violentas por também 100 mil moradores. As duas cidades estão incluídas no rol das mais violentas no Brasil - o índice nacional é 30,5, segundo a Organização Mundial de Saúde.
A causa está no desemprego e a redução total ou parcial de atividades nas empresas da região. Detalhe sombrio para o turismo pernambucano, que oferece clima tropical quase todo o ano: a famosa Porto de Galinhas fica no município de Ipojuca. E Cabo de Santo Agostinho já começa a perder turistas.

Cana dura

O primeiro recurso do ex-governador Sérgio Cabral Filho (MDB) deve ser julgado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) amanhã. A 8ª Turma do tribunal pode manter, diminuir, aumentar ou (difícil!) simplesmente zerar a pena de 14 anos imposta pelo juiz Sérgio Moro, em ação penal sobre desvios de R$ 2,7 milhões do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj).
Com cinco condenações de primeiro grau até agora, carregando-lhe 103 anos de prisão, Cabral pode alcançar, nesta semana, a marca dos 110 anos de cana dura. E conquistar o sexto destaque negativo no "Guiness da Roubalheira".

Educando em casa...

No mesmo julgamento, será decidido o destino de Adriana Ancelmo, a mulher de Cabral. O Ministério Público Federal (MPF) quer reverter a decisão de Moro que absolveu a argentária ex-primeira dama "por falta de provas" nos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro nas propinas recebidas pelo marido nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro.
Por outras ocorrências, Adriana chegou a estar na cadeia, mas em 2 de abril deste ano ganhou a prisão domiciliar para poder cuidar da educação do filho de 11 anos.

Semelhanças e diferenças

O Brasil ficou parecido com a Venezuela nos últimos dias. Mas duas diferenças - uma aqui, a outra em Caracas - foram notórias. Em Porto Alegre, Rio, São Paulo etc., felizmente, não faltou dinheiro nem cartão de crédito no bolso do consumidor. Mas por aqui, infelizmente, ao contrário da rotina venezuelana, faltou combustível.

Das redes sociais

"O governador Sartori determinou à Brigada Militar que acabasse com as manifestações dos caminhoneiros. O comandante de um dos batalhões respondeu de imediato: 'Sem problemas, senhor, só que vou deslocar as guarnições parceladamente; a primeira se movimentará em 30 dias'."
"Nosso medo é começar a andar a pé e o governo aumentar o preço do chinelo." De um grupo de WhatsApp, em Xangri-lá (RS).

Óleo de peroba nele!

Apelidado de "ministro pitbull", o secretário de Governo Carlos Marun (MDB) - reconhecido ex-capataz de Eduardo Cunha (MDB) - é quem mais fala oficialmente, agora, nos rotineiros momentos de crise do governo Temer. Na tarde de sexta-feira, Marun assegurou à Globo News que "fomos exitosos nas soluções da greve dos caminhoneiros". E logo arrematou com um empombado despautério: "Somos o melhor governo da história do País, por hora de mandato". Cinco minutos depois, as imagens em tempo real desmentiam o fiasco do acordo e dos arroubos do falastrão.

Cultura popular

"Óleo de Peroba" é uma marca registrada de um lustra-móveis da empresa carioca Produtos King Ltda. É produzido desde 1938 à base de óleos e solventes vegetais e minerais e tem efeito hidratante sobre a superfície onde é aplicado.
Devido à popularidade do produto, o termo "óleo de peroba" passou a ser também, por associação com a gíria "cara-de-pau", usado para insinuar que alguém é falso, ou corajoso, ou audaz, ou... mentiroso.

Romance forense: Reunião da turma de Direito


ESPAÇO VITAL/DIVULGAÇÃO/JC
Era 1988, um grupo de colegas de 50 de idade, ou pouco mais - todos operadores jurídicos. Aproximadamente metade de homens; outro tanto de mulheres. Encontraram-se num shopping, em happy hour, para escolher o restaurante onde, num jantar, em julho, comemorariam 25 anos de formatura.
Houve consenso por uma nova churrascaria da moda, a Picanha Excelência - porque as garçonetes usavam minissaias, e os garçons eram "uns lindões, muito animados".
Dez anos mais tarde, 1998, em plena faixa etária dos 60 anos, o grupo se reuniu novamente, e mais uma vez a escolha do restaurante estava na pauta.
Decidiram pela mesma churrascaria Picanha Excelência, porque a comida era muito boa e havia uma excelente carta de vinhos.
Dez anos após, 2008, faixa etária dos 70, o grupo reuniu-se novamente para escolher o restaurante. Optaram pela já tradicional churrascaria Picanha Excelência, porque tinha uma rampa, banheiro adaptado e até um pequeno elevador. Ademais, o cardápio era confiável e os preços moderados.
Mais 10 anos passaram e, neste maio de 2018, aos 80 de idade, o grupo se reuniu novamente para a mesma coisa.
Por unanimidade, ficou decidido que o novo encontro será em julho próximo, na churrascaria Picanha Excelência. Todos gostaram da ideia porque... achavam que nunca tinham ido lá...
>>>>>>>>>>
Algum leitor está rindo? Quem sabe, de repente, a gente também se encontra na churrascaria Picanha Excelência?
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia