Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 31 de maio de 2018.
Corpus Christi. Dia Mundial de Combate ao Fumo.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

endividamento

Notícia da edição impressa de 01/06/2018. Alterada em 31/05 às 18h31min

Criada para o trem-bala, EPL opera com prejuízo

Empresa de Planejamento e Logística atuou em projetos do Ferroanel, Ferrogrão, Ferrovia Norte-Sul (foto) e Ferrovia da Integração Oeste-Leste

Empresa de Planejamento e Logística atuou em projetos do Ferroanel, Ferrogrão, Ferrovia Norte-Sul (foto) e Ferrovia da Integração Oeste-Leste


/VALEC/DIVULGAÇÃO/JC
A estatal Empresa de Planejamento e Logística (EPL) desenvolve estudos e projetos de transporte que, em seis anos, garantiram economias para a União em investimentos na área. Mas, até hoje, só registrou prejuízos. Criada por Dilma Rousseff (PT) para implementar o fracassado projeto do trem-bala, em 2012, a EPL consumirá R$ 69 milhões do Orçamento neste ano - quase metade para pagar salários e encargos de 140 funcionários e fornecedores.
Em 2014, seu prejuízo foi de R$ 1 milhão para R$ 20 milhões. No ano seguinte, o rombo aumentou para quase R$ 40 milhões, mesmo com corte em dois terços das despesas. A situação da EPL se repete em várias estatais, como Telebras e Casa da Moeda, que estão listadas por presidenciáveis para serem privatizadas.
O pré-candidato Geraldo Alckmin (PSDB) chegou a declarar que fechará a EPL se for eleito. Para ele, como ela só foi criada para fazer o trem-bala, não haveria motivo para manter a estatal sem o projeto. No governo Michel Temer (MDB), a EPL passou a atuar no planejamento do sistema de transporte e logística, tarefa que há quase uma década deixou de ser feita pela estatal Geipot.
A EPL está vinculada à presidência da República e assessora tecnicamente o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), responsável pelas concessões e privatizações. A principal missão hoje é implementar o Plano Nacional de Logística. Por ele, o governo poderá identificar, com base no tráfego de cargas e passageiros, os pontos de estrangulamento da rede de logística antecipando obras prioritárias a cada cinco anos.
A empresa considera que não tem prejuízo. Isso porque recebe recursos do Orçamento para suas despesas que só podem ser contabilizados no balanço como "capital próprio" no momento em que a iniciativa privada efetua o pagamento ao arrematar uma concessão.
Ainda segundo a EPL, o prejuízo aumentou porque, sob Temer, avançou o programa de concessão, embora o emedebista não tenha conseguido concluir nem metade dos 175 projetos que estão em estudo.
A demora, diz o governo, se deve ao elevado rigor técnico dos estudos, que, na gestão Dilma, eram malfeitos e, por isso, no fim, acabavam não atraindo investidores interessados. Além disso, o processo é submetido antes ao Tribunal de Contas da União (TCU).
Embora possa atender terceiros, gerando receita própria, a EPL diz estar tomada pela agenda de concessões e privatizações. Atuou nos projetos do Ferroanel, do Ferrogrão, da Ferrovia Norte-Sul e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol). Nas rodovias, preparou os estudos para as concessões da ponte Rio-Niterói, da rodovia de Integração do Sul, das BRs 364 e 365, entre Goiás e Minas Gerais, e da BR-101, em Santa Catarina.
Está envolvida nos estudos de readequação dos contratos de relicitação da primeira etapa de concessões do governo Dilma, que vencerão em 2021 e enfrentam dificuldades financeiras. Na área de portos, a empresa entregou, na semana passada, o 20º estudo para a concessão de terminais.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia