Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

17/04/2018 - 13h44min. Alterada em 17/04 às 17h11min

Presidente do PSB já vê consenso para candidatura de Joaquim Barbosa

Entrada de Barbosa na disputa ganhou impulso após divulgação de pesquisa Datafolha no domingo

Entrada de Barbosa na disputa ganhou impulso após divulgação de pesquisa Datafolha no domingo


FELIPE SAMPAIO/SCO/STF/DIVULGAÇÃO/JC
Dez dias depois de se filiar ao PSB, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa já é considerado o virtual candidato do partido à Presidência da República. A resistência inicial a um projeto eleitoral encabeçado pelo ex-ministro foi superada internamente, disse nesta segunda-feira (16) o presidente do PSB, Carlos Siqueira.
"Havia dúvidas, mas ao longo do tempo elas foram se atenuando. Hoje (a candidatura) é um consenso. Vai ser possível anunciar em breve", afirmou Siqueira. A entrada do ex-ministro do STF na arena da disputa presidencial ganhou impulso significativo após a divulgação de pesquisa Datafolha, no Domingo.
Nos cenários que incluem ou excluem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Barbosa alcança de 8 a 10 pontos percentuais e fica à frente ou empatado (sempre dentro da margem de erro) com pré-candidaturas já consolidadas, como a de Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT). O resultado deixou Barbosa impressionado. Segundo um interlocutor, seu nome aparece em um patamar competitivo sem ele "abrir a boca e sem praticamente sair de casa".
Nos últimos meses, o ex-ministro do Supremo se manteve recolhido à espera de uma "segurança mínima" do PSB para ingressar no partido. O processo de filiação superou desconfianças mútuas e o ritual do lançamento de Barbosa já está sendo preparado. Ele deve se reunir na quinta-feira, em Brasília, com a cúpula da sigla e líderes do PSB para discutir um calendário de viagens pelos Estados.
Antes resistente ao projeto de Barbosa, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, passou a considerar que o ex-ministro "se enquadra" no perfil de centro-esquerda que o PSB quer e elogia a trajetória dele. Câmara convidou Barbosa para conhecer o modelo de gestão em Pernambuco. O governador, no entanto, é contra anunciar agora a pré-candidatura de Barbosa.
A resistência do atual governador de São Paulo, Márcio França (PSB), perdeu força porque ele não conseguiu amarrar o apoio do PSDB de Alckmin à sua candidatura à reeleição. Com isso, o caminho para a filiação de Barbosa ficou aberto. Nesta segunda-feira, França sugeriu uma dobradinha entre o ex-governador tucano e o ex-ministro do Supremo.
Foi a consolidação do nome de Barbosa como possível candidato do PSB ao Planalto que levou o ex-ministro Aldo Rebelo a deixar o partido. Aldo foi anunciado nesta segunda como pré-candidato do Solidariedade. Nesse período, o ex-ministro também ganhou aliados internos como o deputado Alessandro Molon (RJ), que deixou a Rede para ingressar no PSB.
Sempre crítico à atuação dos "caciques" nos partidos, Barbosa levou em conta o fato de o PSB ser hoje um partido "sem dono" desde a morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos. Barbosa nunca escondeu sua defesa da possibilidade de candidatura avulsa (sem necessária filiação a uma sigla).
Após o Datafolha, o recado do partido é que a candidatura agora depende de Barbosa. O marqueteiro argentino Diego Brady já se reuniu uma vez com o ex-ministro, mas tem evitado falar sobre a possível candidatura. Há, porém, uma percepção no PSB de que o relator do julgamento do mensalão no Supremo poderá ser apresentado aos eleitores como alguém capaz de exercer a gestão do País com autoridade, mas comprometido com os valores democráticos. Uma forma de tentar contrapô-lo a Jair Bolsonaro (PSL).
Além disso, a aposta é na sua trajetória pessoal. Integrantes da legenda já começaram essa estratégia no domingo, quando divulgaram vídeo em redes sociais e WhatsApp contando a história do ex-ministro, desde sua origem humilde na cidade mineira de Paracatu até sua atuação no STF, e destacando que ele é fluente em quatro idiomas.
"Joaquim perpassa todas as classes sociais e eleitores. Tem muita gente que diz votar no Bolsonaro por uma questão de revolta e protesto. Ele vai navegar por eleitores de todas as candidaturas", afirmou Siqueira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Sergio Oda 17/04/2018 22h22min
Joaquim Barbosa pode ser candidato pelo PSB que defende punição ao Juiz Sergio Moro. Será que ele concorda com isso?