Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 06/04 às 11h07min

Lula decide não se entregar à PF em Curitiba

Policiais federais estão em frente ao prédio da Superintendência da PF em Curitiba

Policiais federais estão em frente ao prédio da Superintendência da PF em Curitiba


Mauro PIMENTEL/AFP/JC
Ricardo Kotscho e Catia Seabra/Folhapress
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, no começo da manhã desta sexta-feira (6), que sua decisão era de não ir a Curitiba para se entregar à Polícia Federal, como determinou o juiz Sérgio Moro. O prazo é até as 17h desta sexta. 
Lula passou a noite no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo (SP), em companhia dos filhos, amigos e dirigentes do partido, e lá pretende ficar durante o dia. A dúvida agora é entre se apresentar em São Paulo ou não se apresentar. Em rápida conversa telefônica, o petista disse que estava tranquilo, bem disposto, e que já tinha feito seus exercícios matinais como faz todos os dias.
A decisão judicial foi tomada após o magistrado receber ofício do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), pouco antes, autorizando a prisão de Lula. O ex-presidente petista aguarda o resultado de um novo pedido de habeas corpus feito pela defesa, dessa vez ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).
O argumento central é que o TRF-4 antecipou a execução da pena ao determiná-la antes da publicação do acórdão do julgamento dos embargos de declaração apresentados pelos advogados. Ainda seria possível apresentar novos embargos e por isso, segundo a defesa, a prisão de Lula ainda não poderia ocorrer.
A ordem de prisão expedida por Moro foi a mais rápida entre condenados da Lava Jato que estavam soltos. O ex-presidente será preso nove meses após sentença, enquanto os outros casos duraram de 18 a 30 meses. A pena definida na condenação em segunda instância foi de 12 anos e 1 mês de prisão, com início em regime fechado, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex de Guarujá (SP).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia