Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 05/04 às 14h52min

Ativista que venceu Nobel da Paz faz campanha para indicação de Lula ao prêmio

Um dia depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) negar o habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o vencedor do Nobel da Paz em 1980, Adolfo Pérez Esquivel, anunciou no Twitter que vai indicar o petista para a próxima edição do prêmio.
Nesta quinta-feira (5), o ativista argentino começou uma campanha na internet para coletar assinaturas de apoio e divulgou a carta que pretende levar ao Comitê Nobel da Noruega para justificar a indicação.
No documento, Esquivel afirma que Lula merece receber o prêmio por sua luta contra a pobreza e a desigualdade. Também diz que a "paz não é só ausência da guerra, nem apenas evitar a morte de uma ou muitas pessoas, mas também é dar esperança de futuro aos povos, em especial aos setores mais vulneráveis".
Ele destaca ainda que os programas sociais criados por Lula, como o Fome Zero e o Bolsa Família, retiraram da pobreza extrema mais de 30 milhões de pessoas, e são exemplos de sucesso reconhecidos mundialmente pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pelo Banco Mundial
Petistas, como o senador Lindbergh Farias (RJ), retuítaram a mensagem de Adolfo Pérez Esquivel com as hashtags #NobelparaLula #LulaValeALuta #LulaLivre.
Nesta quarta-feira, 4, o STF negou, por 6 votos a 5, o pedido da defesa de Lula para que o ex-presidente respondesse em liberdade até que os recursos do caso do triplex se esgotassem. Com a negativa, Lula poderá ser preso, porque já foi condenado em segunda instância.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia