Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 04/04/2018. Alterada em 03/04 às 23h26min

Relator da Lava Jato no TRF-4 defende detenção

Relator do processo que condenou e ampliou a pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), o juiz federal João Pedro Gebran Neto defendeu, na véspera do julgamento do habeas corpus do petista no Supremo Tribunal Federal, a prisão após condenação em segunda instância.“Eu acredito que a execução em segundo grau é aquilo que é melhor para o Brasil. Acredito que a interpretação constitucional e da legislação ordinária permite isso”, afirmou.
“É isso o que a sociedade deseja. Não é só neste caso específico (do ex-presidente Lula). Não é disso que se trata. O que se trata é do País que nós queremos”, completou.
Segundo o magistrado, a prisão após a condenação em segunda instância ajuda no combate à impunidade.“Não estou me referindo só aos crimes de colarinho branco, aos crimes de corrupção. Eu estou me referindo a um país que mata 64 mil pessoas por ano e em que poucos desses casos são sequer objeto de descoberta de quem e o autor do homicídio”, justificou.
As declarações foram feitas na tarde de ontem em Portugal, onde o juiz foi um dos palestrantes do 4º Fórum Jurídico de Lisboa, evento coordenado pelo ministro do STF Gilmar Mendes.
“O processo de amanhã (hoje) vai ser julgado pelo Supremo, que obviamente tem toda a legitimidade para tomar a decisão. É um tema bastante importante, e acho que devem ser respeitadas as posições divergentes”, finalizou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia