Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Liberdade de imprensa

Notícia da edição impressa de 26/04/2018. Alterada em 25/04 às 20h15min

Brasil é o 2º país da América Latina com mais jornalistas assassinados

O Brasil é o segundo país da América Latina com o maior número de jornalistas assassinados entre 2010 e 2017, segundo dados da ONG internacional Repórteres Sem Fronteiras divulgados em entrevista coletiva ontem, no Rio de Janeiro. Durante esse período, 26 repórteres foram mortos - o País só perde para o México, que registrou 52 execuções. A organização leva em conta apenas casos em que é possível ligar diretamente o crime com a prática do Jornalismo.
Além disso, a Repórteres Sem Fronteiras mostrou preocupação com o número de casos de ameaça e intimidação contra os profissionais. De acordo com a ONG, foram cerca de 99 ocorrências no País somente no ano passado.
A violência contra repórteres colocou o Brasil na 102ª posição entre 180 países no ranking mundial que avalia a liberdade de imprensa. Em 2016, era o 103º colocado - ou seja, o progresso foi insignificante.
"A ascensão de uma posição não diz muito, significa que o Brasil está estagnado, não há nada positivo para comentar. A 102ª colocação não é digna de uma grande democracia como o Brasil", afirma Emmanuel Colombié, diretor da Repórteres Sem Fronteiras para a América Latina. Para ele, dois motivos ameaçam a liberdade de imprensa no País: a concentração da propriedade dos meios de comunicação e a falta de amparo do poder público aos profissionais, que acarreta no aumento dos casos de violência.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia