Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 24/04 às 19h34min

Trump escala equipe econômica para tratar de comércio com a China

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira que vai enviar uma delegação de autoridades para Pequim na próxima semana para tentar resolver as disputas comerciais com a China.
Os membros da comitiva dos EUA incluem o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, o representante comercial, Robert Lighthizer, o diretor do Conselho Econômico Nacional, Larry Kudlow, e o conselheiro de comércio da Casa Branca Peter Navarro.
"Eu acho que nós temos uma boa chance de fazer um acordo", disse Trump, ao chamar o presidente chinês, Xi Jinping, de "um amigo". "Mas nas bases que nós temos hoje, eles (os chineses) negociam com a gente, mas não negociamos com eles."
Trump não disse especificamente quando na próxima semana a viagem vai ocorrer, mas uma pessoa próxima das discussões disse à Dow Jones Newswires que a comitiva deve chegar em Pequim entre 3 e 4 de maio.
A composição da equipe reflete as divisões internas da administração Trump. De acordo com fontes, Mnuchin inicialmente propôs que ele fizesse a viagem sozinho, assim como seu homólogo chinês, Liu He, fez em março.
Mas Trump foi aconselhado a enviar toda a equipe econômica, dada a complexidade do assunto. Mnuchin terá então um aliado - Kudlow - na comitiva, mas vai enfrentar a hostilidade de Lighthizer e Navarro, que são favoráveis a uma postura mais dura com a China na questão comercial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia