Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

oriente médio

19/04/2018 - 10h39min. Alterada em 19/04 às 10h39min

Com autorização de Damasco, Iraque ataca Estado Islâmico na Síria

Os caças F16 decolaram de uma base do lado iraquiano da fronteira antes de entrar no espaço aéreo sírio

Os caças F16 decolaram de uma base do lado iraquiano da fronteira antes de entrar no espaço aéreo sírio


STRINGER / IRAQI AIR FORCE / AFP/ JC
Aviões iraquianos fizeram nesta quinta-feira (19) um bombardeio contra posições do Estado Islâmico na Síria, em um ataque coordenado com o governo do ditador Bashar al-Assad. Os caças F16 decolaram de uma base do lado iraquiano da fronteira antes de entrar no espaço aéreo sírio, onde realizaram o ataque.
"Realizar ataques aéreos contra as gangues do Daesh [outro nome do Estado Islâmico] no território sírio é importante devido ao perigo que esses grupos representam ao território iraquiano e é uma prova da melhoria da capacidade de nossas Forças Armadas", disse um comunicado divulgado pelo governo do Iraque.
A ação acontece uma semana após o primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi ter indicado que autorizaria um ataque do outro lado da fronteira, ao afirmar que Bagdá "tomaria todas as medidas necessárias se houvesse ameaça à segurança do Iraque". O premiê declarou em dezembro vitória sobre o Estado Islâmico, mas pequenos grupos ligados a facções continuam agindo próximos da fronteira, realizando atentados e emboscadas na região.
O governo de Abadi tem atualmente boas relações tanto com o Irã quanto com a Rússia, os dois principais aliados de Assad na Síria, enquanto também recebe apoio dos Estados Unidos. Damasco não comentou sobre o ataque desta quinta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia