Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

estados unidos

Alterada em 04/04 às 11h20min

Mulher que atacou sede do YouTube nos EUA estava furiosa com a empresa, diz pai

Nasim Aghdam se matou após o ataque, que deixou três pessoas hospitalizadas

Nasim Aghdam se matou após o ataque, que deixou três pessoas hospitalizadas


Justin Sullivan/Getty Images/AFP/JC
A mulher que disparou, nesta terça-feira (4) vários tiros contra funcionários do YouTube na sede mundial da empresa, na cidade de San Bruno, na Califórnia, estava furiosa com a companhia porque ela parou de receber por seus vídeos na plataforma. A afirmação foi dada pelo pai da autora, identificada como Nasim Aghdam, de 39 anos. Ela se matou após o ataque, que deixou três pessoas hospitalizadas.
O YouTube paga royalties de publicidade aos criadores de conteúdo, mas a empresa resolveu desmonetizar alguns canais por razões como conteúdo inapropriado ou por não alcançarem mais de 1 mil seguidores.
Na terça-feira, a família de Nasim recebeu uma ligação da polícia por volta das 2h da manhã, informando que ela foi encontrada dormindo em um carro. Segundo o pai da autora, Ismail Aghdam, ele alertou às autoridades sobre o risco que sua filha representava.
As autoridades confirmaram que uma mulher foi encontrada dormindo dentro de um carro em um estacionamento de Mountain View na terça-feira, mas ela se recusou a responder mais perguntas. As autoridades não responderam se foram alertadas sobre o risco de ataque.
A polícia disse também que as três pessoas atingidas não eram um alvo específico da autora dos disparos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia