Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Reformas

Notícia da edição impressa de 04/04/2018. Alterada em 03/04 às 20h05min

França vive 'Terça Negra' com greve de trens

Estação Gare du Nord, a mais movimentada de Paris, ficou abarrotada

Estação Gare du Nord, a mais movimentada de Paris, ficou abarrotada


/LUDOVIC MARIN/AFP/JC
Em uma "Terça-feira Negra", como já tem sido chamada pela imprensa local, ferroviários franceses iniciaram o primeiro dia de sua greve de três meses contra o presidente Emmanuel Macron. Esse pode ser um dos desafios mais severos ao mandato do centrista de 40 anos, que venceu as eleições de 2017 com 66% dos votos.
As paralisações causaram caos no transporte público, e imagens veiculadas pelas emissoras de televisão locais mostravam a estação Gare du Nord, a mais movimentada de Paris, abarrotada. Passageiros tropeçavam nas plataformas e precisavam de ajuda para se levantar do chão.
Outros setores da economia francesa, como a aviação e a energia, aderiram a outras greves, dificultando o cenário. Algumas universidades tiveram paralisações.
Macron, como havia prometido em campanha, está promovendo uma série de liberalizações da economia, tocando, inclusive, os direitos trabalhistas, considerados sacrossantos na França. A greve dos ferroviários é uma resposta específica ao plano de reformar a companhia estatal de trens, a icônica empresa SNCF.
Ferroviários planejam fazer paralisações de dois dias a cada cinco. Na estreia da greve - na noite de segunda-feira - e durante todo o dia de ontem, quase metade dos funcionários da SNCF não trabalhou, diz a empresa. Apenas um oitavo dos trens de alta velocidade circulou. As linhas para Suíça, Itália e Espanha foram totalmente interrompidas, e houve uma diminuição também nos serviços com direção à Alemanha e ao Reino Unido.
A imprensa francesa relatou, durante a jornada, longos engarrafamentos em Paris durante a hora do rush, de manhã. Os trens que circularam estavam lotados, e franceses buscavam alternativas de transporte. Em paralelo, sindicatos ligado à Air France aderiram, também nesta semana, a uma greve por melhores salários, mas 75% dos voos seguiam com normalidade, segundo o jornal Le Monde.
 

Paralisações de ferroviários têm um simbolismo particular no país

Em 1995, esses sindicatos paralisaram Paris e forçaram a renúncia do então premiê conservador Alain Juppé. O histórico desestimulou os antecessores de Macron a insistir nas reformas - que o centrista promove, hoje, com decretos executivos acelerados por sua maioria legislativa.
Entre as propostas está rever os benefícios dados a ferroviários, como emprego vitalício e aposentadoria antecipada. Pesquisas mostram o apoio da população à medida. A SNCF recebe subsídios anuais equivalentes a R$ 40 bilhões, mas deve R$ 185 bilhões - prova, para o governo, de que ela já não é eficiente e de que não está pronta para o rompimento de seu monopólio.
Caso tenha sucesso em sua queda de braço, Macron terá o caminho livre para outras de suas reformas, como a do sistema de educação e da aposentadoria. Por isso mesmo, os setores públicos veem essa disputa como fundamental para os seus próximos anos.
O ministro das Finanças, Bruno Le Maire, prometeu, no entanto, seguir adiante com as reformas. A França teve, em 2017, seu melhor ano para investidores corporativos estrangeiros desde 2001, disse, "e faremos de tudo para incrementar essa dinâmica".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia