Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Catalunha

Notícia da edição impressa de 04/04/2018. Alterada em 03/04 às 23h28min

Promotores alemães pedem extradição de Carles Puigdemont

Promotores da Alemanha pediram ontem que o ex-líder separatista catalão Carles Puigdemont seja extraditado para a Espanha, onde é acusado de rebelião. A ação da promotoria alemã é um revés para o movimento e deixa o político mais perto de um julgamento por causa da tentativa de independência do ano passado.
Puigdemont foi detido na semana passada, enquanto viajava da Finlândia para a Bélgica. Ele tem contra si um mandado internacional de prisão e, se culpado por rebelião, pode pegar até 30 anos de prisão na Espanha.
A decisão dos promotores alemães é uma vitória para os tribunais espanhóis, já que havia alguma dúvida sobre se eles pediriam a extradição. Em comunicado, os promotores disseram que o crime de rebelião na Espanha era comparável ao de alta traição no Código Penal alemão. Eles também aceitaram a acusação espanhola de uso inapropriado de fundos públicos.
Um tribunal regional deve se pronunciar sobre o assunto. O advogado alemão de Puigdemont, Wolfgang Schomburg, disse, na semana passada, que tentará impedir a extradição. O ex-líder catalão argumenta que não teria direito a um julgamento justo na Espanha, já o governo do premiê espanhol, Mariano Rajoy, trata-o como um fugitivo e diz que ele quer conseguir apoio no exterior para a independência da Catalunha.
O governo alemão poderia bloquear qualquer extradição com um veto político. Mas um porta-voz da chanceler Angela Merkel disse, na semana passada, que não havia a intenção de intervir no Judiciário.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia