Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

américa do sul

Notícia da edição impressa de 03/04/2018. Alterada em 02/04 às 19h57min

Inquéritos empacam na Argentina

Se o Peru adaptou leis para que as "delações premiadas" individuais fossem aceitas como recurso, acelerando o andamento das investigações, isso ainda é um problema na Argentina, cuja legislação não contempla essa possibilidade. Ou seja, mesmo que delações feitas no Brasil comprometam políticos argentinos, é necessário que uma ação judicial seja aberta na Argentina para prosperar. A Justiça ainda não recebeu a lista dos envolvidos nos casos de subornos. Porém, alguns casos têm vindo à tona.
O mais conhecido é o do chefe do serviço de inteligência do presidente Mauricio Macri, Gustavo Arribas. Segundo o delator Leonardo Meirelles, ele teria recebido 14 transferências, totalizando US$ 850 mil (R$ 2,8 milhões), quando morava em São Paulo, onde atuava na compra e venda de jogadores de futebol. No ano passado, Arribas foi convocado para prestar depoimento e disse que havia recebido apenas US$ 70 mil (R$ 232,6 mil) pela venda de objetos pessoais. Arribas foi absolvido em 2017.
 

Evo Morales pede investigação do caso Odebrecht

O presidente boliviano, Evo Morales, anunciou ontem que pedirá à Assembleia Legislativa que investigue as denúncias de corrupção no país vinculadas à Odebrecht. Em entrevista coletiva em La Paz, Morales afirmou que uma comissão parlamentar será encarregada de apurar se houve extorsão ou subornos durante a construção de obras pela empreiteira brasileira.
Na quinta-feira, veio a público um documento que revelaria o pagamento de supostas comissões a ex-gerentes do Serviço Nacional de Caminhos na construção da rodovia Roboré-El Carmen.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia