Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 17/04/2018. Alterada em 16/04 às 21h21min

Câncer é a principal causa de morte em 140 municípios gaúchos

O câncer figura como principal causa de morte em 516 dos 5.570 municípios brasileiros. É o que aponta pesquisa divulgada ontem pelo Observatório de Oncologia do movimento Todos Juntos Contra o Câncer, em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM). O estudo alerta que a doença avança no Brasil ano após ano, e, caso a trajetória seja mantida, em pouco mais de uma década, as neoplasias serão responsáveis pela maioria dos óbitos em todo o País, ocupando o posto que hoje pertence às doenças cardiovasculares.
Os dados mostram que a maior parte das cidades onde o câncer aparece como principal causa de morte está em regiões mais desenvolvidas, justamente onde a expectativa de vida e o Índice de Desenvolvimento Humano são maiores. Dos 516 municípios onde os tumores mais matam, 80% ficam no Sul (275) e no Sudeste (140), enquanto o Nordeste concentra 9% dessas localidades (48); o Centro-Oeste, 7% (34); e o Norte, 4% (19).
As cidades em questão concentram, ao todo, uma população de 6,6 milhões de pessoas. Conforme o estudo, o Rio Grande do Sul é o estado com maior número de municípios (140) onde o câncer aparece como primeira causa de morte. Enquanto em todo o País as mortes pela doença representam 16,6% do total, no território gaúcho, o índice chega a 33,6%. Um dos fatores que, segundo a pesquisa, pode explicar a alta incidência são as características genéticas da população.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia