Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

Alterada em 04/04 às 08h43min

Operação cumpre 12 mandados de prisão contra quadrilha de roubo de cargas no RJ

Agência Brasil
Uma operação conjunta da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro cumpre nesta quarta-feira (4) 12 mandados de prisão preventiva contra acusados de integrar uma quadrilha que se beneficia de cargas roubadas na zona norte da cidade. Eles foram denunciados por organização criminosa e financiamento do tráfico de drogas, segundo nota divulgada pelo Ministério Público (MP).
De acordo com a denúncia do MP, desde 2017 o grupo agia em conjunto com uma facção criminosa do Rio de Janeiro que atua nas favelas do Pica-Pau, Dique, Ficap e Furquim Mendes. O grupo criminoso usava as comunidades como ponto de transbordo de mercadorias roubadas e, em troca, dividia o lucro com a facção que controla essas favelas. Além disso, eles são acusados de subornar agentes públicos para não serem presos em flagrante e de revender as mercadorias roubadas.
Ainda de acordo com a denúncia oferecida à Justiça, os membros da organização criminosa tinham funções bem divididas e especializadas. "A quadrilha controlava ainda uma sofisticada rede de distribuição dos produtos roubados, que contava com vendedores ambulantes, contratados por jornadas diárias para explorar vários pontos de venda nas imediações de estações ferroviárias do Rio. Alguns dos denunciados também guardavam produtos roubados em suas próprias residências e os expunham para venda em redes sociais", diz a nota do Ministério Público.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia