Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

Alterada em 03/04 às 16h41min

Reparo dos danos ambientais pode levar até 45 dias, diz presidente de mineradora

Todo o reparo dos danos ambientais provocados pelos dois incidentes no mineroduto da Anglo American levará de 30 a 45 dias e consumirá cerca de R$ 60 milhões da companhia, volume que pode ainda ser elevado após as conclusões das investigações que estão em curso, informou o presidente da mineradora no Brasil, Rubens Fernandes. O executivo disse, a jornalistas, que o vazamento foi de minério e não de rejeitos, e que o comprometimento e extensão dos danos, portanto, minimizados.
O mineroduto da Anglo American teve dois vazamentos, provocados por falha na solda de partes da estrutura, conforme divulgado pela Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).
Depois do último vazamento, na semana passada, houve um segundo incidente, que levou a companhia a anunciar suspensão do projeto por 90 dias para investigações. "Depois do primeiro incidente seguimos todo o protocolo para retomar a produção. Não tivemos nenhuma sinalização de que o problema era estrutural. Retomamos a produção com anuência dos órgãos ambientais e no processo de retomada tivemos o segundo incidente. Isso mostrou que precisaremos dessa checagem completa", disse.
Esse problema, segundo o executivo, não atrasa o cronograma de expansão da mina. O projeto Minas-Rio deverá estar rodando em ritmo de 26 milhões de toneladas anuais a partir do fim de 2020.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia