Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

copa do Brasil

Alterada em 19/04 às 22h02min

Apático e sem criação, Inter cai para o Vitória no Barradão

SSem criação, o Inter chegou poucas vezes com perigo ao gol do Vitória

SSem criação, o Inter chegou poucas vezes com perigo ao gol do Vitória


RICARDO DUARTE/DIVULGAÇÃO/INTER/JC
Sofrível, sem brilho e apático. Assim foi o Inter durante os 90 minutos na noite desta quinta-feira (19), no estádio Barradão, em Salvador. Sem criação, o Inter chegou poucas vezes com perigo ao gol do Vitória. Do outro lado, o adversário era ainda pior, mas achou um pênalti no segundo tempo e levou a decisão também para as cobranças de penalidade. Depois do triunfo por 1 a 0 no tempo normal e as cinco cobranças, os baianos venceram por 4 a 3 e avançaram às oitavas de final da Copa do Brasil.
Com mais posse de bola e iniciativa, os donos da casa pecavam na técnica e no arremate final, sem qualidade. O Inter controlou a partida, mesmo fazendo muitas faltas próximas ao setor defensivo, o que permitia aos baianos levantarem a bola na área. A primeira grande chance foi colorada. Aos onze minutos, Iago acionou Pottker, que tentou o gol encobrindo Caíque. Na sobra, Nico López também parou no goleiro do Vitória.
Aos 34, o Rubro-Negro de Salvador chegou pela esquerda com Rhayner. Ele rolou na área para Denílson. O atacante dominou, girou e bateu para o gol, mas a bola desviou na defesa e foi para fora. A resposta do Inter veio três minutos depois. Pottker avançou pela esquerda, deixou Kanu para trás, e bateu no cantinho. Caíque, atento, caiu e defendeu.
Precisando marcar para levar a decisão ao menos para os pênaltis, o Vitória começou a etapa final em cima. Aos seis minutos, Rhayner apareceu pelo lado direito, invadiu a área e soltou uma bomba. Marcelo Lomba fez ótima intervenção. Aos 19, os baianos acertaram a trave do Inter. Yago avançou pela esquerda, cruzou fechadinho, e, na incerteza entre Cuesta e Lomba, Denílson conseguiu desviar e o poste salvou o Colorado.
E, de tanto recuar e não ficar com a bola, o Inter sofreu o revés aos 35. Denílson e Iago se chocaram na área e o árbitro assinalou a marca da cal. Na cobrança, Neílton balançou as redes. Na sequência, Camilo, que entrou no lugar de D’Alessandro, cobrou falta de longe e forçou Caíque a espalmar.
Como a Copa do Brasil não tem mais o gol qualificado, o resultado conquistado pelo Leão levou a decisão para as penalidades máximas. Pelo Inter, Camilo Fabiano e Patrick marcaram, Nico López e Gabriel Dias pararam em Caíque. Já o Vitória desperdiçou apenas uma cobrança, Lomba defendeu a batida de Nickson. Enquanto que Denílson, Uilliam Correia, José Welison e Neílton fizeram.
Agora, resta apenas o Brasileirão ao time de Odair Hellmann. No domingo, às 16h, o adversário será o forte Palmeiras, no Pacaembu. A delegação viaja direto de Salvador para São Paulo.
Vitória 1 (4) x 0 (3) Internacional
Caíque, Rodrigo Andrade (José Welison), Kanu, Ramon e Juninho; Willian Farias (Nickson), Uilliam Correia, Rhayner, Neílton e Yago (Guilherme Costa); Denílson. Técnico: Vagner Mancini.
Marcelo Lomba, Fabiano, Rodrigo Moledo (Klaus), Víctor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Gabriel Dias, Patrick, D’Alessandro (Camilo) e Nico Lopez; William Pottker (Marcinho). Técnico: Odair Hellmann.
Árbitro: Rafael Traci (PR)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia