Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado imobiliário

Notícia da edição impressa de 25/04/2018. Alterada em 24/04 às 20h35min

Vendas de imóveis no País devem crescer 15% neste ano

Lançamentos do Minha Casa contribuem para a melhora do setor

Lançamentos do Minha Casa contribuem para a melhora do setor


/FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL/JC
As vendas de imóveis no País devem crescer 15% em 2018, para o patamar de aproximadamente 120 mil unidades, de acordo com projeções da Associação Brasileira de Incorporadoras (Abrainc) feitas em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Se as estimativas forem confirmadas, o mercado imobiliário voltará ao mesmo nível de vendas registrado em 2014, antes do aprofundamento da crise econômica nacional.
Até fevereiro, as vendas acumuladas em 12 meses chegaram a 78,6 mil unidades, enquanto os lançamentos foram a 85,3 mil unidades, segundo dados divulgados há pouco pelas instituições.
"É possível dizer, categoricamente, que o pior já passou. O que não quer dizer, porém, que o setor já está a salvo", observou o economista da Fipe, Eduardo Zylberstajn, durante apresentação dos números em evento organizado pela Abrainc. Zylberstajn afirmou que, pelo lado positivo, a economia brasileira deixou para trás a recessão e conta com um cenário marcado pela redução dos juros e da inflação.
Por outro lado, o economista ponderou que as vendas de imóveis ainda são limitadas pela falta de uma recuperação vigorosa da geração de empregos e pelo baixo nível de confiança dos consumidores. "Por mais que a confiança tenha melhorado, ainda estamos em patamares historicamente baixos. Ainda há muita incerteza e insegurança no ambiente", afirmou, acrescentando que não há indicação de uma retomada mais forte dos empregos no curto prazo.
Zylberstajn estimou que o avanço do setor deverá ser sustentando pelo crescimento das atividades do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), segmento em que há maior demanda e condições mais favoráveis de financiamento. Por sua vez, os imóveis voltados para o mercado de médio e alto padrão ainda devem evoluir lentamente. Segundo projeções da Fipe e da Abrainc, o Minha Casa Minha Vida deve responder por 64% das vendas em 2018, ante 42% em 2014.
Apesar da estimativa de crescimento das vendas, o economista ponderou que não há sinais de um aquecimento nos preços dos imóveis. Durante o boom do setor na última década, essa valorização foi sustentada pela redução dos juros e pelo alongamento do prazo de financiamento pelos bancos. "Com o juro que temos hoje, aparentemente, o preço está de acordo com os seus fundamentos. Qualquer valorização mais forte no preço dos imóveis precisaria passar por uma queda relevante nos juros, aumento dos prazos e recuperação do mercado de trabalho, o que não parece ser o caso para o curto prazo."
 

Escritórios têm baixa nos valores de venda e locação

Capital registrou queda no preço do metro quadrado

Capital registrou queda no preço do metro quadrado


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O mercado de salas e conjuntos comerciais teve queda nos preços anunciados de venda e locação em março, de acordo com pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com o site Zap, que monitora quatro capitais brasileiras.
O preço médio anunciado de venda dos imóveis comerciais caiu 0,06% em março, revertendo alta de 0,21% registrada em fevereiro. Nos últimos 12 meses, o setor acumula uma retração de 2,29%.
No mês, houve queda em três das quatro capitais monitoradas: Belo Horizonte (-0,15%, para
R$ 7.549/m2), São Paulo (-0,16%, para R$ 10.048/m2) e Porto Alegre (-0,41%, para R$ 7.825/m2). Já no Rio de Janeiro, houve alta de 0,33%, para R$ 10.674/m2.
O preço médio anunciado de aluguel das salas e conjuntos comerciais caiu 0,44% em março, aprofundando a queda de 0,22% de fevereiro. No acumulado dos últimos 12 meses, a baixa atingiu 3,78%.
No mês, todas as cidades tiveram recuo nos preços de locação: São Paulo (-0,01%, para R$ 43,47/m2), Porto Alegre (-0,28%, para R$ 31,18/m2), Belo Horizonte (-0,42%, para R$ 30,39/m2) e Rio de Janeiro (-1,45%, para R$ 40,64/m2).
 

Abecip projeta recuo dos juros imobiliários no curto prazo

Os juros do crédito imobiliário tendem a permanecer estáveis ou passar por leves reduções no curto prazo, de acordo com estimativa do presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Gilberto Duarte. O executivo avaliou que, após o ciclo de corte da Selic e as diminuições de juros já praticados pelos bancos nos últimos meses, novas reduções nas taxas do financiamento dependem de reformas estruturais no País - como a questão da Previdência - e o recuo dos juros de longo prazo.
"As taxas de juros já cederam bastante em relação ao ponto máximo da crise, e já estamos voltando ao patamar de normalidade", comentou Duarte, observando que os bancos já concedem crédito imobiliário a taxas na ordem de 9% ao ano, enquanto, antes da crise econômica, foram praticadas taxas de até 7% a 8% ao ano. "Pode cair mais? Talvez mais um pouco. Agora, depende, principalmente, da curva longa de juros", comentou Duarte, durante evento organizado pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).
O presidente da Abecip explicou que não há falta de recursos para concessão de financiamentos, mas sim falta de confiança dos consumidores em assumir empréstimos, dado o desemprego elevado e a falta de clareza sobre os rumos do País. Para este ano, ele reiterou a projeção de crescimento de cerca de 10% dos financiamentos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia