Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

comércio exterior

24/04/2018 - 17h07min. Alterada em 24/04 às 17h07min

IABr espera acordo com EUA até dia 30, quando expira suspensão da tarifa

O Brasil espera alcançar um acordo com os Estados Unidos até o dia 30 de abril, data em que expira a suspensão da aplicação da sobretaxa do aço exportado ao país. Essa suspensão do aumento da tarifa do aço foi dada há um mês para um grupo de países, como Argentina, Coreia do Sul, Austrália e União Europeia, além do Brasil, para que os países pudessem negociar o tema com os Estados Unidos.
O Brasil espera alcançar um acordo com os Estados Unidos até o dia 30 de abril, data em que expira a suspensão da aplicação da sobretaxa do aço exportado ao país. Essa suspensão do aumento da tarifa do aço foi dada há um mês para um grupo de países, como Argentina, Coreia do Sul, Austrália e União Europeia, além do Brasil, para que os países pudessem negociar o tema com os Estados Unidos.
O presidente do Conselho diretor do Instituto Aço Brasil (IABr), Alexandre Lyra, disse que a expectativa é de que o impacto para o Brasil seja o "menor possível".
Segundo ele, os Estados Unidos já fizeram uma sinalização de que o país poderá adotar um sistema de "cotas". Essa ferramenta, segundo a entidade, já foi utilizada pelos Estados Unidos na década de 1980.
Por esse sistema, o país pode definir um volume de determinado produto que poderá ser exportado para lá, e cada que País que exporta aos Estados Unidos definiria a participação de cada empresa nesse total. No entanto, não há qualquer detalhe como esse sistema funcionaria caso esse mecanismo for, de fato, adotado.
"Nós ainda estamos trabalhando para a exclusão do semiacabado, por entendermos que essa é uma necessidade americana", disse o presidente executivo do IABR, Marco Polo de Mello Lopes. Ele lembrou que hoje 80% da exportação do Brasil de aço aos Estados Unidos são de semiacabados.