Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

20/04/2018 - 17h05min. Alterada em 20/04 às 17h05min

Petróleo fecha em alta com sinalização da Opep sobre cortes de produção

O petróleo fechou em alta nesta sexta-feira (20) em meio a um emaranhado de sinalizações sobre o acordo de cortes da produção global da commodity que inclui membros e aliados da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep).
O petróleo fechou em alta nesta sexta-feira (20) em meio a um emaranhado de sinalizações sobre o acordo de cortes da produção global da commodity que inclui membros e aliados da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep).
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para junho fechou em alta de 0,10%, a US$ 68,40 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do Brent para junho avançou 0,38%, a US$ 74,06. Na semana, o WTI subiu 1,50% com base no contrato mais líquido, e o Brent escalou 2,04%.
Na reunião ministerial dos signatários do acordo para controlar a oferta global de petróleo, em Jeddah, na Arábia Saudita, predominou uma retórica em torno da continuidade dos cortes de produção.
O ministro de Energia da Rússia, Alexander Novak, afirmou haver riscos de "estoques e volumes de produção crescentes em alguns países", em fala reproduzida na conta desse ministério no Twitter. "Por isso, precisamos dar prosseguimento a ações conjuntas visando ao equilíbrio final do mercado", pontuou Novak.
Na quinta-feira, as cotações de petróleo já haviam buscado algum suporte em relatos de que a Arábia Saudita teria a pretensão de ver o preço do Brent a US$ 80 ou até US$ 100.
Em meio à retórica adotada no evento em Jeddah, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recorreu, como de costume, a sua conta no Twitter para dizer que, "com volumes recordes de petróleo em tudo quanto é lugar, incluindo os navios totalmente carregados, os preços do petróleo estão artificialmente muito altos". "Nada bom e não será aceito!", completou.
O economista de commodities da Capital Economics Thomas Pugh afirmou ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) que a razão primária para os cortes de produção é o impulsionamento de preços para os países participantes do acordo obterem mais receita. "Mas não estou certo de que é justo dizer que (os preços) estão muito altos", ponderou o analista. "Achamos que os preços cairão de volta a US$ 65 (por barril de Brent) e US$ 60 por barril de WTI", completou.