Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Notícia da edição impressa de 20/04/2018. Alterada em 19/04 às 20h18min

Ibovespa perde fôlego e fecha perto da estabilidade; dólar cai

Depois duas sessões consecutivas de desempenho positivo, com as quais acumulou ganhos de 3,52%, o Índice Bovespa perdeu fôlego e terminou o dia perto da estabilidade nesta quinta-feira. O equilíbrio do indicador revelou não apenas o noticiário escasso, como também uma certa proporcionalidade entre influências positivas e negativas para as ações. Depois de ter alternado pequenas altas e baixas desde cedo, o índice acabou por fechar em alta de 0,06%, aos 85.824 pontos, e com R$ 10,773 bilhões em negócios.
Entre os fatores que favoreceram uma correção estiveram as bolsas de Nova Iorque, que desde cedo ingressaram em um movimento de correção. Esse movimento foi acompanhado de perto pelas ações do setor financeiro, que foram destaques de baixa ao longo do pregão. Ao final do dia, alguns dos papéis recuperaram valor, também alinhados a uma melhora que veio de Wall Street. Assim, Itaú Unibanco fechou em baixa de 0,93%, enquanto Bradesco ON avançou 0,59%.
Entre fatores positivos estiveram as commodities, em especial o petróleo e o minério de ferro, que continuaram a operar em níveis elevados. Petrobras ON ( 1,25%) e PN ( 1,83%), além de Vale ON ( 0,74%) foram durante toda a sessão os contrapontos que amenizaram as quedas das ações do setor financeiro.
Ainda na análise por ações, operadores voltaram a destacar os papéis da BRF, que subiram 4,90%, maior alta entre as ações que compõem a carteira teórica do Ibovespa. O papel, que já havia se valorizado 10% na véspera, continuou a subir apoiado na possibilidade de Pedro Parente, presidente da Petrobras, ser eleito presidente do conselho de administração da companhia, em substituição a Abilio Diniz.
Depois de três sessões em baixa, o dólar voltou a subir nesta quinta-feira, voltando a se aproximar do patamar de R$ 3,40. No fechamento, ficou em R$ 3,3906 ( 0,29%). O giro financeiro foi relevante no mercado à vista, de US$ 1,3 bilhão.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://midias.jornaldocomercio.com.br/_midias/jpg/2018/04/19/206x137/1_bolsa-1794275.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5ad9102086486', 'cd_midia':1794275, 'ds_midia_link': 'http://midias.jornaldocomercio.com.br/_midias/jpg/2018/04/19/bolsa-1794275.jpg', 'ds_midia': '.', 'ds_midia_credi': '.', 'ds_midia_titlo': '.', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '630', 'cd_midia_h': '800', 'align': 'Left'}
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia