Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 17/04/2018. Alterada em 16/04 às 20h48min

Pai da realidade virtual sugere Facebook e Google pagos

E se o Facebook não fosse gratuito? Ou se fosse necessária uma mensalidade para fazer pesquisas no Google? As ideias são do filósofo e visionário tecnológico Jaron Lanier, considerado um dos criadores de realidade virtual, numa das palestras mais provocativas do TED, evento de palestras que aconteceu na semana passada, em Vancouver, no Canadá.
"Não podemos ter uma sociedade em que, se duas pessoas quiserem se comunicar, o único jeito é se for financiado por uma terceira pessoa que deseja manipulá-las", disse Lanier, autor de diversos manifestos e livros. O mais recente, a ser lançado em junho, se chama "Dez Argumentos para Deletar suas Contas de Mídia Social Agora".
Para Lanier, 57, o consumidor teria mais vantagem se pagasse pelo Facebook, se livrando dos anúncios. "O que começou como propaganda não pode mais ser chamada de propaganda. Virou modificação de comportamento", aponta.
Ele fundou, em 1984, a VPL Research, uma das primeiras empresas a desenvolver e vender produtos de realidade virtual. A empresa declarou falência em 1990, e suas patentes foram compradas pela Sun Microsystems.
Lanier sugeriu que Facebook e Google poderiam ter opções de serviço pago, da mesma forma como funciona para conteúdos de qualidade na TV, como Netflix ou HBO. "Cometemos um erro nos anos 1990, quando a cultura digital tinha essa missão socialista, esquerdista, de que tudo na internet deveria ser de graça", afirmou Lanier. "Temos de corrigir isso."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia