Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Notícia da edição impressa de 13/04/2018. Alterada em 12/04 às 21h17min

Decreto da privatização de Eletrobras gera confusão

A publicação de um decreto sobre a privatização da Eletrobras causou um mal-entendido entre as áreas econômica e política do governo. O episódio demonstra dificuldade entre as duas equipes em acertar os passos no que é considerado tema prioritário pela equipe econômica neste ano.
Na quarta-feira, o ministro Moreira Franco (Minas e Energia) afirmou que seria publicado um decreto incluindo a empresa no Programa Nacional de Desestatização, ato legal necessário para iniciar os estudos técnicos para a venda de ações da empresa.
O decreto não saiu e pegou de surpresa o ministro Eduardo Guardia (Fazenda), que acreditava que a publicação havia sido feita nesta quinta-feira. "Estou repetindo o que o ministro Moreira disse ontem, que o decreto ia sair. Vamos atualizar isso", disse Guardia.
O ministro Carlos Marun (Articulação Política) afirmou que o governo decidiu segurar o decreto porque a mensagem foi mal interpretada pelos parlamentares.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), indicou que não gostou da iniciativa, uma vez que a promessa do governo era aprovar antes a venda no Congresso e só depois desatar o processo de privatização.
"Houve uma confusão no sentido de que esse decreto poderia ser um caminho para tanto (atropelar o Congresso). Por isso, estamos reavaliando os termos do decreto, para que fique claro que o objetivo é dar continuidade aos estudos para a capitalização. Não queremos que pareça uma forma de ultrapassar a discussão no Congresso", disse Marun.
O ministro tratou a venda de ações como "capitalização", evitando, todo o tempo, a palavra privatização. "O governo quer a capitalização da Eletrobras, mas o fará em sintonia e parceria com o Congresso Nacional", disse.
Perguntado se o decreto seria publicado, Marun afirmou que "deve ser publicado", sem apontar uma data. "O decreto está sendo avaliado para que seu objetivo seja cumprido", disse.
Sem o decreto, o processo de venda da estatal fica em compasso de espera. A expectativa da equipe econômica é que o Congresso dê sinal verde ainda no primeiro semestre à privatização. Só dessa forma seria possível concluir a operação de aumento de capital e venda de ações ainda em 2018.
O ministro da Articulação Política tentou afastar o clima de desarticulação do governo ao amenizar críticas de parlamentares que alegam pouco trânsito de Moreira no Congresso Nacional.
"O ministro Moreira Franco é uma pessoa que tem toda capacidade técnica, tem conhecimento político, mas, em nível de articulação, ele pode ser auxiliado por outros setores do governo que trabalham de forma mais específica nessa área", disse Marun.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia