Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 11/04 às 09h26min

Inflação para terceira idade é de 0,89% no primeiro trimestre

O acumulado em 12 meses pelo IPC-3i é superior ao IPC-BR

O acumulado em 12 meses pelo IPC-3i é superior ao IPC-BR


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
Agência Brasil
O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação da cesta de consumo de famílias compostas por pessoas com mais de 60 anos de idade, registrou inflação de 0,89% no primeiro trimestre do ano. O IPC-3i acumula inflação de 3,30% em 12 meses. A informação foi divulgada hoje (11), no Rio de Janeiro, pela Fundação Getulio Vargas (FGV)
A taxa do IPC-3i no primeiro trimestre é inferior ao Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que mede a inflação para todas as faixas etárias e que ficou em 1,03%. O acumulado em 12 meses pelo IPC-3i, no entanto, é superior ao IPC-BR (2,76%).
O IPC-3i do primeiro trimestre deste ano é inferior ao índice de verificado no último trimestre de 2017. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice acusaram queda em suas taxas de variação nesse período.
A principal contribuição partiu do grupo habitação, que passou de 1,21% para 0,07%. O item que mais influenciou o comportamento desta classe de despesa foi tarifa de eletricidade residencial, com deflação (queda de preços) de 2,05%, no primeiro trimestre, ante 4,14%, no anterior.
Contribuíram também para o decréscimo da taxa do IPC-3i os grupos transportes (2,51% para 1,61%), educação, leitura e recreação (1,11% para 0,73%), comunicação (0,20% para -0,13%) e despesas diversas (0,65% para 0,62%).
Em contrapartida, tiveram alta os grupos alimentação (0,45% para 1,41%), saúde e cuidados pessoais (1,47% para 1,59%) e vestuário (-0,07% para -0,02%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia