Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Industria

06/04/2018 - 11h14min. Alterada em 06/04 às 11h14min

Demanda por bens industriais recuou 1,6% em fevereiro ante janeiro, diz Ipea

A demanda por bens industriais recuou 1,6% na passagem de janeiro para fevereiro, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). No trimestre móvel encerrado em fevereiro, porém, o Indicador Ipea mensal de Consumo Aparente (CA) de Bens Industriais registrou alta de 1,2%.
A demanda por bens industriais recuou 1,6% na passagem de janeiro para fevereiro, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). No trimestre móvel encerrado em fevereiro, porém, o Indicador Ipea mensal de Consumo Aparente (CA) de Bens Industriais registrou alta de 1,2%.
Na comparação com fevereiro de 2017, o consumo de bens industriais foi 4,5% maior em fevereiro deste ano. O indicador é obtido através da soma das importações de bens industriais com a produção interna, excluídas as exportações.
Com o resultado de fevereiro, a demanda por bens industriais permanece com ritmo de crescimento mais intenso (com elevação de 4,5% em fevereiro ante fevereiro do ano anterior) do que o apresentado pela Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física (com alta de 2,8% no mesmo período), apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
"Isso é um sinal de que a atividade industrial está aquecida. A economia está demandando tanto os bens industriais produzidos no País quanto os bens importados", avaliou Leonardo Mello de Carvalho, pesquisador do Ipea e autor do estudo, em nota oficial.
Entre os componentes do consumo aparente, a produção doméstica líquida de exportações recuou 1,2% em fevereiro ante janeiro, enquanto as importações de bens industriais caíram 2,8%. A demanda por bens da indústria de transformação encolheu 1,9%, e o consumo de bens da extrativa mineral caiu 2,5%.
Na comparação com fevereiro de 2017, a produção industrial doméstica, excluídas as exportações, avançou 3,3%, enquanto as importações saltaram 10,0%. Houve avanços expressivos nos segmentos de equipamentos de informática (22,6%) e veículos automotivos (18,1%). "Os dados nos mostram a retomada forte do consumo dos bens de consumo duráveis", afirmou José Ronaldo de Castro Souza Junior, diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, em nota.