Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

Alterada em 05/04 às 15h33min

Participação governamental em petróleo e gás chegou a R$ 40 bilhões em 2017

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, informou nesta quinta-feira (5), por meio do Twitter, que as participações governamentais do setor de petróleo e gás natural atingiram R$ 40 bilhões no ano passado, contra R$ 27,9 bilhões em 2016. A grande diferença foram os bônus de assinatura obtidos nos leilões de 2017, e que não ocorreram no ano anterior, informou.
De acordo com Oddone, no final da próxima década o governo brasileiro deverá estar arrecadando R$ 100 bilhões por ano em royalties, participações especiais, bônus de assinaturas dos leilões e por retenção de área.
Desde que foram iniciados os leilões de petróleo, em 1999, a melhor arrecadação para o governo se deu em 2013, durante o governo de Dilma Rousseff, pela realização do primeiro leilão do pré-sal brasileiro, do campo de Libra. Naquele ano, as participações governamentais atingiram R$ 49,6 bilhões, valor também impulsionado pelo bônus de assinatura pagos no certame.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia