Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Alterada em 05/04 às 14h35min

Governo ainda não tem um cálculo do efeito das taxações da China, diz Maggi

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que ainda não há um cálculo do efeito que a taxação da China aos produtos norte-americanos pode ter para o Brasil, mas é importante destacar que o Brasil é "amigo" do país asiático. "Em termos de valores ainda não temos um cálculo", afirmou, após participar de cerimônia de Erradicação Plena da Aftosa no Brasil e do Lançamento do Selo Brasil Livre de Aftosa. "O Brasil é um país confiável para o fornecimento de alimentos para a China. Não temos disputas comerciais", completou.
A guerra comercial entre China e Estados Unidos ganhou mais um capítulo, na quarta-feira, 4, com o governo chinês impondo novas tarifas sobre 106 produtos americanos. Em resposta ao protecionismo do presidente norte-americano, Donald Trump, a China elevou as tarifas sobre a soja produzida nos EUA, abrindo mais espaço para outros países exportadores da oleaginosa, principalmente o Brasil.
A China é o maior importador mundial de soja. No ano passado, comprou 95,5 milhões de toneladas - aproximadamente US$ 40 bilhões. Cerca de 30% do grão cultivado nos EUA é exportado para a China, onde é transformado em óleo e o resíduo do processamento, o farelo de soja, é usado como ingrediente para ração de suínos, frangos, gado e peixes.
Com a nova tarifa de 25%, a previsão do Ministério do Comércio da China é de que esse mercado seja ainda mais ocupado pelo produto brasileiro - que já tem uma participação relevante. Em 2012, o País superou os americanos e passou a ser o maior exportador do produto para o mercado chinês. Em 2017, as vendas brasileiras para lá atingiram um recorde, com o embarque de 53,7 milhões de toneladas. Isso representou quase 55% das importações de Pequim. Os americanos exportaram 33 milhões de toneladas, 34% do mercado chinês e o menor volume desde 2006.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia