Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

infraestrutura

Notícia da edição impressa de 05/04/2018. Alterada em 05/04 às 02h43min

Edital de Centro de Eventos de Porto Alegre sai neste mês

Estrutura vai ocupar área ao lado do estádio Beira-Rio, em terreno cedido pela prefeitura ao clube

Estrutura vai ocupar área ao lado do estádio Beira-Rio, em terreno cedido pela prefeitura ao clube


/SKYPORTO IMAGENS A/DIVULGAÇÃO/JC
Guilherme Daroit
Travada há anos, a construção do Centro de Eventos Porto Alegre deve dar mais um passo em direção à realidade neste mês. Segundo o secretário de Parcerias Estratégicas da Capital, Bruno Vanuzzi, até o fim de abril, será publicado o edital para a elaboração do projeto da estrutura, que será construída por meio de parceria público-privada. O Centro de Eventos, que será erguido em terreno ao lado do Estádio Beira-Rio, no bairro Praia de Belas, conta com R$ 60 milhões garantidos pela União desde 2013.
"É uma iniciativa que acreditamos que possa mudar o desenvolvimento da região, impulsionando o turismo de negócios", afirmou Vanuzzi, que foi um dos palestrantes de ontem do Tá na Mesa, da Federasul. A publicação do edital, cuja minuta já está pronta e apenas aguardando trâmites legais, avançará um projeto que chegou a ser ameaçada pela demora. O termo que liberou os recursos federais, via PAC Turismo, tinha um prazo limite até o fim de 2017, que não foi cumprido pelo entrave quanto à localização do prédio. O impasse só teve solução em novembro do ano passado, quando a prefeitura e o Sport Club Internacional assinaram um acordo no qual o clube reconheceu a direito do município de pedir de volta, a qualquer momento, o uso do terreno escolhido, cedido ao Inter até 2024. Com a definição da área, a prefeitura garantiu uma extensão no prazo para que não perdesse a verba.
O centro será erguido em duas etapas - a primeira, feita pelo poder público; e a segunda, por conta do concessionário - e deverá ter capacidade para receber 30 mil pessoas. O espaço é uma demanda antiga de setores de hotelaria e alimentação, que argumentam que a falta de uma estrutura desse tipo limita a atração de eventos para a Capital.
Vanuzzi ainda falou aos empresários sobre outros projetos que o município pretende concretizar no futuro breve. Entre os prioritários, o secretário elencou a Parceria Público-Privada (PPP) da iluminação pública e a remodelação na coleta de lixo na Capital. Quanto ao último, Vanuzzi argumenta haver gargalos tanto na logística quanto na parcela do lixo que é rejeitada. "Porto Alegre foi pioneira ao implementar a coleta seletiva na década de 1990, mas é preciso fazer uma atualização no modelo", defendeu o secretário.
Das cerca de duas mil toneladas recolhidas por dia na Capital, 95% é descartada como rejeito no aterro de Minas de Leão, a cerca de 100 km de Porto Alegre, percentual que Vanuzzi reconhece não atender ao Plano Nacional de Resíduos Sólidos. O objetivo da prefeitura é rever todo o processo, mesmo possíveis alterações legais, de forma a racionalizar os trajetos dentro da cidade e mesmo até Minas do Leão, diminuindo a parcela do lixo urbano que tenha o aterro sanitário como destino final. "Queremos reduzir gradualmente, e me parece que 30% de resíduos sólidos seja uma meta interessante", afirmou Vanuzzi, lembrando que o estudo de viabilidade está sendo financiado pela Caixa.
Já em relação à iluminação pública, o secretário defendeu o potencial da PPP em atrair interessados na iniciativa privada. "Porto Alegre tem uma característica única, que é uma base de dados consistente. Cerca de 80% dos nossos postes têm cadastro fidedigno, o que é raro em grandes cidades", defendeu. O projeto está sendo construído com financiamento do Bndes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Meg 05/04/2018 09h14min
Dá até medo..... Ano eleitotal com licitações e obras!!!! Pode?? LRF permite??