Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Alterada em 03/04 às 19h41min

Tarifas à China se devem ao 'dano estimado à economia' americana, defendem EUA

Os Estados Unidos justificaram nesta terça-feira a imposição de tarifas às importações de cerca de 1,3 mil produtos da China devido ao "dano estimado à economia" americana.
Em documento de 58 páginas, assinado pelo Escritório do Representante Comercial dos EUA, o governo americano diz que a imposição das tarifas são julgadas como apropriadas devido ao uso de "uma variedade de ferramentas, incluindo processos de aprovação administrativa opaca e discricionária, requisitos de joint venture, limitações de participações estrangeiras, aquisições e outros mecanismos para regular ou intervir nas operações das empresas dos EUA na China, a fim de exigir ou pressionar transferência de tecnologias e propriedade intelectual para empresas chinesas".
O governo dos Estados Unidos se utilizou ainda de um entendimento da Organização Mundial do Comércio (OMC) em relação à regulação sobre tecnologia para justificar a imposição das tarifas.
Alvo recorrente de críticas do presidente dos EUA, Donald Trump, a OMC iniciou em 23 de março de 2018, a pedido de Washington, consultas o governo da China em relação a aspectos específicos dos regulamentos de tecnologia do país considerados na investigação do processo divulgado hoje.
De acordo com o Departamento do Comércio, alguns dos alvos das tarifações dos EUA são produtos foram incentivados pela política industrial Made In China 2025, que tinha como objetivo impulsionar setores de alta tecnologia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia