Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

comércio exterior

03/04/2018 - 09h52min. Alterada em 03/04 às 09h52min

China afirma que retaliará proporcionalmente no comércio com os EUA

O embaixador chinês afirmou que as medidas serão tomadas caso Trump anuncie novas tarifas

O embaixador chinês afirmou que as medidas serão tomadas caso Trump anuncie novas tarifas


JOHANNES EISELE/AFP/JC
A China lutará contra as medidas de comércio dos Estados Unidos de maneira proporcional, segundo o embaixador chinês nos Estados Unidos, Cui Tiankai, que falou em entrevista à imprensa estatal. "Nós certamente adotaremos medidas na mesma proporção e na mesma escala, com igual intensidade", caso os EUA anunciem tarifas no âmbito de uma investigação sobre roubo de propriedade intelectual.
A China lutará contra as medidas de comércio dos Estados Unidos de maneira proporcional, segundo o embaixador chinês nos Estados Unidos, Cui Tiankai, que falou em entrevista à imprensa estatal. "Nós certamente adotaremos medidas na mesma proporção e na mesma escala, com igual intensidade", caso os EUA anunciem tarifas no âmbito de uma investigação sobre roubo de propriedade intelectual.
Ao mesmo tempo, o diplomata enfatizou os esforços chineses para proteger os direitos de propriedade intelectual. Cui ainda pediu mais cooperação internacional nesta área. Nesta semana, a Casa Branca pode anunciar punições tarifárias de cerca de US$ 60 bilhões contra produtos chineses, por causa do suposto roubo de propriedade intelectual.
Anteriormente, os EUA anunciaram tarifas à importação de aço e alumínio, o que levou a China a adotar medidas retaliatórias, com tarifas a 128 produtos americanos, com valor estimado em US$ 3 bilhões.