Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

02/04/2018 - 15h28min. Alterada em 02/04 às 15h28min

Ouro sobe com busca por ativos considerados seguros em meio a aversão ao risco

O ouro fechou em alta na sessão desta segunda-feira, na qual a aversão ao risco fez investidores migrarem de papéis considerados arriscados, como ações, para ativos vistos como seguros, a exemplo do metal amarelo.
O ouro fechou em alta na sessão desta segunda-feira, na qual a aversão ao risco fez investidores migrarem de papéis considerados arriscados, como ações, para ativos vistos como seguros, a exemplo do metal amarelo.
Na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato futuro de ouro para junho encerrou com avanço de US$ 19,60 (+1,48%), a US$ 1.346,90 a onça-troy.
Em um movimento que deu fôlego ao metal amarelo, visto como um ativo de segurança em cenários de incerteza, a aversão ao risco se espalhou em virtualmente todos os setores dos principais índices acionários de Wall Street. O gatilho para as baixas foi um tuíte do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que criticou novamente o regime tributário da Amazon.
Outro fator que semeou pessimismo entre investidores foi o anúncio pela China da imposição de tarifas sobre a importação de 128 produtos americanos, em retaliação às sobretaxas no aço e no alumínio importados pelos EUA. A decisão espalhou tensão sobre os mercados e reviveu temores de uma guerra comercial entre os países.