Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 01 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

Notícia da edição impressa de 02/04/2018. Alterada em 01/04 às 20h41min

Facebook encerra parceria com provedores de dados

O Facebook vai encerrar suas parcerias com grandes provedores de dados que ajudam anunciantes a enviar propaganda segmentadas para usuários da rede social. O movimento é mais uma das ações da empresa após o escândalo do vazamento de dados pessoais de 50 milhões de pessoas para a consultoria política Cambridge Analytica, que colocou dúvidas sobre como o Facebook trata as informações dos usuários.
As informações dos usuários foram usadas pela consultoria para distribuir propaganda da campanha do republicano Donald Trump nas eleições presidenciais americanas de 2016.
O Facebook oferece aos anunciantes a opção de segmentar seus anúncios com base em dados coletados por empresas como a Acxiom e a Experian. Essas companhias combinam os dados presentes na rede com informações próprias, como padrão de consumo em lojas físicas.
Combinando essas informações com as já disponíveis no Facebook e as dos bancos de dados dos anunciantes, é possível enviar propaganda levando em conta faixa de renda, atividade profissional e padrão de consumo, por exemplo.
Quando um anunciante usa serviço do tipo para distribuir propaganda no Facebook, a companhia divide parte da receita com o provedor de dados.
A ferramenta, chamada Partner Categories, foi criada em 2013 e tem sido amplamente utilizada entre certas categorias de anunciantes - como montadoras, fabricantes de artigos de luxo e empresas de bens de consumo - que não vendem diretamente aos consumidores e têm relativamente pouca informação sobre quem são seus clientes, segundo o Facebook. Ela deve ser encerrado em seis meses.
"Embora essa seja uma prática comum na indústria, acreditamos que esse passo ajudará a melhorar a privacidade das pessoas no Facebook", disse Graham Mudd, diretor de marketing de produtos do Facebook, em comunicado.
A rede social se recusou a comentar sobre como a mudança poderia afetar sua receita publicitária. Os anunciantes ainda poderão usar serviços de dados de terceiros para medir o desempenho de seus anúncios examinando dados de compra. O Facebook também ajustou as configurações de privacidade em seu serviço na quarta-feira passada, dando aos usuários controle sobre suas informações pessoais em menos etapas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia