Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 06/04/2018. Alterada em 05/04 às 22h36min

Fim da história de um líder

Na avaliação do vice-líder do governo na Câmara dos Deputados, o gaúcho Darcísio Perondi (PMDB), a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), na madrugada desta quinta-feira, que não aceitou o habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) "é o fim de uma história política de um líder. Acabou-se um líder. Ele já era inelegível e agora vai ser preso". O parlamentar destaca, entretanto, que, "bem ou mal, ajudou o País. E precisava encerrar essa história urgentemente".
Preservada a Lava Jato
Para o deputado Perondi, "foi preservada a Lava Jato, e a impunidade que estava sendo protegida foi muito enfraquecida, porque o ladrão de galinha é preso na sua cidade e mofa na cadeia. Já o pedófilo, o estuprador, o empresário e o político corrupto, com grandes advogados, ficam soltos. Com a decisão do STF, a Constituição foi preservada".
Cresce a candidatura de centro
"É quase o fim do PT", enfatiza o vice-líder do governo. Do outro lado, avalia Perondi, "vai crescer uma candidatura de centro. Havia uma radicalidade de uma direita destrutiva e uma esquerda fracassada. Agora, vai crescer a candidatura de centro, e aí cresce a dobradinha Michel (Temer, PMDB) e (Henrique) Meirelles (PMDB)". Para arrematar, o deputado afirmou: "o PT foi para o saco".
Próximos desdobramentos
O deputado federal gaúcho Afonso Motta (PDT), com prudência, avalia que ainda é preciso aguardar os próximos desdobramentos. Motta acredita que o impacto no PT é muito forte e pode repercutir nas eleições. "Mas temos que esperar a reação, a vitimização, se for o caso. O povo esquece rápido e desfaz uma pauta para outra com muita rapidez", avalia Motta.
Licença-maternidade
A licença-maternidade para celetistas deve passar de 120 para 180 dias. Esta foi a proposta aprovada pela na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado. O relator, senador gaúcho Paulo Paim (PT), ressaltou que o período de seis meses dedicado à amamentação exclusiva é indicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde. Ele citou bons resultados que vem obtendo o programa Empresa Cidadã, que concede benefícios fiscais a empresas que ampliam a licença-maternidade para 180 dias.
Segurança nas eleições
Os presidentes do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), e do Tribunal Superior Eleitoral, Luiz Fux, somam esforços para dar mais segurança às eleições. A preocupação principal é garantir que não ocorra nenhuma fraude no processo eleitoral de 2018. Fux já vem demonstrando enorme preocupação também com as fakes news.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia