Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 29 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Affonso Ritter

Observador

Notícia da edição impressa de 30/04/2018. Alterada em 29/04 às 20h29min

Os gêmeos digitais

Uma figura que expressa bem o estágio da indústria 4.0, presente na Feira Industrial de Hannover 2018, encerrada nesta sexta-feira, é a dos gêmeos digitais. Eles se chamam "real" e "virtual". Na verdade, o virtual nasce antes, no computador, onde é desenvolvido passo a passo. E com vantagens. Se fosse fazer direto o real, seria necessário produzir um protótipo, mais demorado e caro, segundo o técnico do Sebrae-RS Fabiano Dallacorte. No estande da Siemens, os brasileiros puderam conferir isso em linhas de produção de celulares, pois essas mudam constantemente. Por isso, eles fazem o que se chama de comissionamento rápido (o projeto virtual de uma linha inteira), antes de colocá-lo em execução. Esse tempo é de cinco dias, quando feito de forma digital; e de 30 dias sem projeto digital.
Um novo conceito
Os gêmeos digitais são compostos por três elementos: um gêmeo físico no mundo real, um digital no espaço virtual, representando todos os dados em tempo real do físico, e a interconectividade, que viabilize aos dois compartilharem informações. Os gêmeos digitais podem ser usados para simular, examinar o gêmeo operacional, monitorar processos e procurar falhas em potencial.
Até para serviços
Visitar a Feira de Hannover interessa também a quem tem foco só na prestação de serviços à indústria. É o caso de Luiz Carlos Giacomet, da GBC, de Caxias do Sul. Sua empresa oferece soluções para atender a qualquer demanda do setor, mesmo que tenha que produzir ela mesma. Na feira, Giacomet foi conferir em que pé está a indústria mundial e para onde vai para poder acompanhá-la.
Ritual do diretor
A despedida da missão brasileira do hotel Plaza de Hannover, onde esteve hospedada durante a feira, foi com ritual tradicional na chegada de um novo diretor, no caso, Michael Schlabritz, designado na mudança de seu controle. É um coquetel em que os convidados consomem ao mesmo tempo, protegidos por um babeiro, dois cálices de dois aperitivos diferentes até na cor, um deles original de Hannover.
As férias coletivas
Uma entre tantas curiosidades foi a que mais impressionou os brasileiros na visita técnica à Mercedes-Benz em Bremen durante a feira. A fábrica não para, mesmo em suas férias coletivas. Ela se socorre de universitários - alunos e professores em férias, treinados antecipadamente -, muitos dos quais se empregam nela depois de formados. A fábrica conclui um carro novo a cada 86 segundos e tem em carteira de pedidos para um ano.
A vez das aranhas morcegos
As novidades apresentadas na Hannover Messe 2018 pela alemã Festo tiveram como inspiração o movimento de morcegos e aranhas na série que já teve em 2017 a tromba de elefante e anteriormente formigas, águas vivas, gaivotas, borboletas e pinguins. O comportamento da aranha levou ao desenho de vários robôs que podem se impulsionar em terrenos difíceis. Já o movimento dos morcegos inspirou por suas características especiais de voo o robô no sentido de se mover de forma semiautônoma em um espaço definido. A ideia da empresa é aplicar o aprendizado biônico em linhas de automação no futuro, uma das suas estratégias para desenvolver tecnologias para a Indústria 4.0 e tem um departamento para isso. Seu estande exibiu, ainda neste ano, uma mão biônica, que mexe os dedos muito semelhante a de uma humana, na qual se inspirou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia