Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Affonso Ritter

Observador

Notícia da edição impressa de 24/04/2018. Alterada em 23/04 às 20h33min

Hannover abre com política

A abertura solene, neste domingo, da Feira Industria de Hannover 2018 foi o palco no qual a chanceler alemã, Angela Merkel, aproveitou para reafirmar publicamente algumas de suas convicções políticas, como a cooperação multilateral. E encontrou um parceiro: o presidente do México, Henrique Piña Nieto, presente no evento, que, na véspera, havia firmado acordo de princípio com a União Europeia para o livre mercado. Coincidentemente, ambos vivem tensões comerciais com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ardoroso defensor do protecionismo. Mais ainda o México de Piña Nieto, contra o qual Trump insiste em construir um muro. País parceiro também da feira, o México está com exibições de mais de 110 empresas e instituições.
Apoio do Sebrae
O Sebrae-RS tem apoiado, há algum tempo, a participação de pequenas empresas na Feira de Hannover, com escolha através de edital. O apoio é por meio de duplo subsídio, financeiro e técnico, segundo o representante da instituição, o técnico Fabiano Dallacorte. No primeiro caso, 30% sobre o pacote da missão gaúcha; e, no segundo, intermediação no acesso às tecnologias. Nesta edição, estão 12 pelo Sebrae-RS.
Aplicativo da feira
Uma boa novidade da Feira de Hannover, neste ano, é o aplicativo que facilita a localização dos expositores pelos visitantes, principalmente para quem souber explorar o mapa em todas as suas funções. A ferramente indica, inclusive, onde o usuário está e a partir de que ponto pode traçar seu roteiro, tipo GPS. Ótimo para o visitante planejar sua participação na feira, sem perda de tempo.
Melhor uso de dados
O diretor da TDS, de Bento Gonçalves, que desenvolve sistemas de gestão, tipo ERP, Fernando Toneser, veio a Hannover para conferir como as indústrias aplicam o ERP e a direção que tomam as novas exigências das empresas nesta matéria. O ERP pega os dados - pedidos, ordem de fabricação adequada ao tempo previsto, acúmulo de tarefas etc. - para reprogramação.
Robôs mais baratos
Olhando de fora, parece que os robôs são parecidos com os de feiras anteriores, que não evoluíram muito. Mas só parecem, dizem os especialistas. Eles são melhores e mais baratos. Um exemplo: há alguns anos, um braço cego de robô custava € 25 mil. Hoje, pelo mesmo preço, consegue-se um braço com sensores e câmaras, e capacidade para conferir e controlar se os parafusos estão colocados corretamente.
O doente e o médico
Ainda há muitas empresas que terceirizam a manutenção das máquinas ao fabricante, na opinião de André Nodari, diretor da NBN. É como, mal comparando, se o doente chegasse ao médico e perguntasse a ele qual a sua doença. O mínimo que se exige do doente é que ele fale dos sintomas.
Acompanhamento a distância
O diretor da NBN, fabricante de máquinas para curtumes em Porto Alegre, André Nodari, foi até à Feira de Hannover para conferir a Indústria 4.0. Suas máquinas já têm sensor, registro de dados e conectividade, mas ele precisa de inteligência artificial para tornar úteis e disponíveis os dados, "sem reinventar a roda". Com isso e com a licença do comprador, o fabricante pode acompanhar a distância a máquina na operação e fazer um trabalho de prevenção, evitando que pare. É que toda a máquina tem um comportamento padrão. E, bem antes de ela morrer, começa a desregular, quando, então, é a hora de intervir para fazer as devidas correções.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia