Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 02/05/2018. Alterada em 01/05 às 19h52min

Frases e personagens

Paulo Kruse, presidente do Sindilojas-POA

Paulo Kruse, presidente do Sindilojas-POA


LUIZA PRADO/JC
"Pela primeira vez desde que o levantamento passou a ser realizado, no Dia das Mães, itens de perfumaria, cosméticos e maquiagem (26,4%) ultrapassaram roupas (25,6%) na preferência dos compradores. Em comparação com 2017, roupas eram a preferência de 38,7% dos pesquisados, enquanto produtos de beleza apareciam com 27%. O gasto médio somando todos os presentes comprados será de R$ 277,00, com um tíquete médio de R$ 173,00." Paulo Kruse, presidente do Sindilojas Porto Alegre.
 "A data movimentará R$ 174 milhões em Porto Alegre, estabilidade em comparação ao Dia das Mães de 2017. Cada consumidor deve comprar, em média, 1,6 presentes." Também Paulo Kruse.
"O mercado imobiliário de Porto Alegre está retomando a confiança na economia. Verifica-se a partir da arrecadação do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). O primeiro trimestre de 2018 confirma, pois o pagamento deste imposto municipal teve crescimento real acumulado de 3,72% na arrecadação." Fernando Ismael Schunck, presidente da Associação dos Auditores-Fiscais da Receita Municipal de Porto Alegre.
"Nos últimos três anos, os dados sobre o ITBI mostravam que o mercado estava em recessão, enquanto os investidores estavam com medo de aplicar em imóveis. Neste ano, já começamos a reverter esta situação em Porto Alegre. O aumento real de 3,72% parece pequeno, mas representa um crescimento enorme, se pensarmos nos índices do ano passado." Também Fernando Ismael Schunck.
"O Brasil precisa de um plano de emergência para dar impulso à economia, que inclua medidas de estímulo ao consumo, ao crédito e aos investimentos. A questão fiscal se resolve com crescimento. A ênfase dada à reforma da Previdência e às privatizações é equivocada. Isso é problema para economista cabeça de planilha." Marcio Pochmann, um dos formuladores do programa de governo que o PT prepara para apresentar na corrida presidencial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia