Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Judiciário

Notícia da edição impressa de 30/04/2018. Alterada em 01/05 às 16h17min

Pesquisa vai medir a presença das mulheres no Judiciário

Em 2013, as mulheres representavam 35,9% da magistratura brasileira, concentrando 47% da força na Justiça do Trabalho, seguida pela Justiça Estadual, com 34,5%, e pela Federal, com 26,2%. A Justiça Militar obteve o menor índice, indicando 16,2% de mulheres em seu quadro.
Em levantamento realizado no início do ano passado pelo Módulo de Produtividade Mensal, sistema mantido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), alimentado pelos tribunais, foi constatado que o Rio de Janeiro era a unidade da Federação com a maior proporção de mulheres na magistratura, totalizando 48,6%, seguida pelo Rio Grande do Sul, com 45,5%.
Se essa ainda é a realidade dentro dos tribunais, já não se sabe, e é isso que a pesquisa Perfil Sociodemográfico dos Magistrados Brasileiros busca responder a partir de agora. O estudo está sendo feito pelo CNJ a partir de dados disponibilizados por cerca de 18 mil magistrados do País, entre eles juízes, desembargadores e ministros do Poder Judiciário.
O prazo para o envio das 28 questões segue até o dia 15 de maio. Com essas informações, o CNJ poderá atualizar o Censo do Poder Judiciário, que não é refeito desde 2013. O CNJ orienta os magistrados que não estejam conseguindo acessar o link do questionário para que entrem em contato com o Departamento de Pesquisa Judiciária (DPJ) do conselho por meio dos telefones (61) 2326-5266 e (61) 2326-5268. Também podem ser enviadas mensagens para o e-mail dpj@cnj.jus.br.
Os magistrados que não receberam a mensagem sobre a pesquisa para a realização do perfil também podem acessar o questionário no endereço www.cnj.jus.br/pesquisa-magistrados-2018
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia