Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Alterada em 28/03 às 12h58min

Temer diz que ataque à caravana de Lula é 'uma pena' e cria 'clima de instabilidade'

Presidente comentou o ataque a tiros à comitiva de Lula no Paraná

Presidente comentou o ataque a tiros à comitiva de Lula no Paraná


EVRISTO SA/AFP/JC
Folhapress
O presidente Michel Temer disse nesta quarta-feira (28) ser "uma pena" que ônibus da caravana do ex-presidente Lula pelo sul do país tenham sido atingidos por tiros na noite de terça-feira (27). "É uma pena que tenha acontecido isso, porque vai criando um clima de instabilidade no país, de falta de pacificação, que é indispensável no presente momento", disse Temer em entrevista à rádio Bandnews de Vitória, no Espírito Santo.
O ataque à comitiva de Lula aconteceu na cidade de Quedas do Iguaçu, no Paraná. Um dos veículos, que era ocupado por jornalistas, teve duas perfurações na lataria. Ninguém se feriu.
"Devo dizer também, que na verdade, essa onda de violência não foi pregada talvez por aqueles que tomaram essa providência, talvez tenha sido, tenha começado lá atrás. Ea história de uns contra outros realmente cria essa dificuldade que gera atritos dessa natureza", afirmou.
Ainda na entrevista, o presidente comentou as declarações do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, de que sua família vem sofrendo ameaças. Relator da Lava Jato no STF, o magistrado fez os comentários durante entrevista ao programa de Roberto D'Avila, na GloboNews. O presidente disse que os relatos mostram "um clima muito ruim".
"Ainda ontem eu falava com o nosso ministro da Segurança, o Raul Jungmann, que estava preocupado com o dia 4, dia do julgamento da matéria relativa ao ex-presidente Lula. E claro que aqui estamos todos tomando todas as providências para que não haja conflito, mas é preocupante", comentou.
O STF retoma no dia 4 de abril o julgamento de um pedido de habeas corpus preventivo apresentado pela defesa de Lula para evitar a prisão do ex-presidente, já condenado na Lava Jato.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia