Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

partidos

22/03/2018 - 12h03min. Alterada em 22/03 às 12h10min

TSE cassa mandato de governador do Tocantins, Marcelo Miranda

Marcelo Miranda e sua vice foram cassados por abuso de poder econômico

Marcelo Miranda e sua vice foram cassados por abuso de poder econômico


Elizeu Oliveira/ Divulgação Secom-TO/JC
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu na manhã desta quinta-feira (22) cassar o mandato do governador do Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), e de sua vice, Cláudia Lelis (PV), por abuso de poder político e econômico e arrecadação e gastos ilícitos de recursos na campanha de 2014.
Foram 5 votos favoráveis à cassação e 2 contrários, sendo vencidos os ministros Napoleão Nunes Maia Filho e Luciana Lóssio, relatora do caso. Também por maioria (4 a 3), os ministros determinaram a execução imediata da decisão. Uma nova eleição deverá ocorrer entre 20 e 40 dias.
Em seu voto, o presidente do TSE, ministro Luiz Fux, afirmou que há fortes elementos para a cassação do governador. "Diversas ligações telefônicas captadas por intermédio de autorização judicial, minutos antes de flagrante delito."
No recurso ao TSE, o Ministério Público afirma ter ocorrido uso de recursos ilegais na campanha no Tocantins, demonstrado pela apreensão de R$ 500 mil em uma mochila e material publicitário em um avião, pela Polícia Civil de Goiás, e pela simulação de contratos para justificar movimentação de recursos.
A relatora do caso, ministra Luciana Lóssio, rejeitou o recurso do Ministério Público ao afirmar que não há, no episódio, provas de que os recursos apreendidos seriam utilizados na campanha de Miranda e do vínculo das pessoas citadas com candidatos do PMDB em Tocantins. De acordo com ela, há inconsistências nos testemunhos tomados para a apuração dos fatos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia