Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Protestos

Alterada em 21/03 às 13h40min

MBL convoca manifestação em frente ao STF nesta quarta-feira

O Movimento Brasil Livre (MBL), um dos protagonistas das manifestações a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), convocou outra manifestação na tarde desta quarta-feira (21) em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF). Eles pedem a manutenção da prisão após confirmação em decisão colegiada.
Nas redes sociais, o movimento denuncia o que chama de "golpe" para supostamente evitar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que aguarda o julgamento dos recursos apresentados ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).
Havia a expectativa de que os ministros se reunissem nesta terça-feira (20), em encontro fechado, para discutir o assunto. No entanto, a reunião não ocorreu. O tema pode ser discutido na sessão desta quarta-feira. Uma eventual mudança no entendimento do caso - que impedisse a prisão em segunda instância - beneficiaria a defesa de Lula e de outros nove presos no âmbito da Lava Jato.
O MBL, que propaga o antipetismo nas redes sociais, já havia se concentrado nesta terça-feira na entrada da Corte. Outros movimentos, como o Vem Pra Rua, também participaram da manifestação. Nos últimos dias, os grupos divulgaram vídeos de artistas que pediam para a presidente do STF, ministra Carmen Lúcia, "resistir" à pressão e não discutir o tema. Nomes como Juliana Paes, Fafá de Belém, Dani Suzuki e Márcio Garcia aparecem nas imagens.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia