Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

direitos humanos

Notícia da edição impressa de 19/03/2018. Alterada em 18/03 às 21h28min

STM condena sete por trotes violentos em Nova Santa Rita

O Superior Tribunal Militar (STM) manteve, por unanimidade, a condenação de seis ex-militares e um soldado do Exército acusados por trote contra soldados do 3º Batalhão de Suprimento, em Nova Santa Rita, na Região Metropolitana de Porto Alegre.
No dia 3 de março de 2017, a primeira instância da Justiça Militar da União, em Porto Alegre, condenou os envolvidos por maus tratos e lesão corporal, aplicados contra diversos soldados do efetivo variável e em três ocasiões diferentes. As penas variaram de seis meses a um ano de detenção, com base no Código Penal Militar.
De acordo com o órgão colegiado da primeira instância (Conselho Permanente de Justiça), "a materialidade e a autoria ficaram devidamente demonstradas com base nos depoimentos colhidos na fase instrutória, além dos exames médicos e das fotografias juntadas ao processo, indicando a incidência de lesão corporal leve".
Segundo a denúncia e os depoimentos das vítimas, a prática criminosa é conhecida como "trote", "batismo", "pacotão" ou "lamba" e consiste na aplicação de golpes nas nádegas com mangueiras, cabides, cabos de vassouras e outros instrumentos contundentes.
Diante da sentença, tanto o Ministério Público Militar como a defesa dos acusados recorreram ao STM. A Procuradoria questionava a absolvição de acusados com relação a outras supostas agressões e pedia a majoração das penas por considerar outras circunstâncias judiciais desfavoráveis que não teriam sido devidamente apreciadas, como a escolha do local que dificultou a percepção das agressões pelos superiores e do horário, que propiciou a aglomeração do maior número de vítimas possíveis.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia