Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança Pública

14/03/2018 - 15h39min. Alterada em 14/03 às 15h40min

MPF irá fiscalizar ações da intervenção federal na segurança do Rio

MPF quer examinar os procedimentos adotados e prestação de contas das operações

MPF quer examinar os procedimentos adotados e prestação de contas das operações


TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
O Ministério Público Federal (MPF) no Rio instaurou nesta quarta-feira (14) um inquérito civil público para fiscalizar as operações da intervenção federal na segurança do Rio, determinada por um decreto do presidente que completa um mês na sexta-feira (16). O MPF quer examinar "a regularidade e adequação dos procedimentos adotados" nas operações. Também defende a prestação de contas das ações militares.
Já foi pedida uma "reunião urgente" com o interventor federal, general Walter Souza Braga Neto. O MPF salienta, em nota oficial, que as ações devem ter controle externo. "Evidentemente, os aspectos estratégicos, táticos e operacionais correlatos são atribuições do interventor. Mas não se pode dizer que a situação é de normalidade", disse o procurador da República Eduardo Santos de Oliveira Benones.
Ele ressaltou que não se devem ferir direitos individuais dos cidadãos e que excessos e abusos devem ser coibidos. O procurador clamou por "transparência, diálogo e prestação de contas". "O desafio do Estado brasileiro é combater e prender bandidos que vivem ou se escondem entre pessoas de bem", afirmou.
Outras instâncias já haviam anunciado que estão acompanhando o desenrolar da intervenção, com o intuito de preservar os direitos humanos de moradores das comunidades onde há operações, como a Defensoria Pública do Estado, a Ordem dos Advogados do Brasil no Rio e grupos na Câmara dos Deputados, na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Vereadores.
O fichamento de moradores da Vila Kennedy, na zona oeste, por militares das Forças Armadas, e a possibilidade de serem expedidos mandados de busca e apreensão coletivos, aventada pelo governo federal (depois descartada), foram considerados sinais de alerta de que a fiscalização atenta e de perto seria necessária.
A GLO vigora desde o meio do ano passado e, desde então, tropas das Forças Armadas atuam no Estado em cooperação com a Polícia Militar e a Polícia Civil.
Há um mês, com o decreto de intervenção pelo presidente Michel Temer (PMDB), a segurança do Rio saiu das mãos do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e passou para as do interventor Braga Netto. O secretário de Segurança passou a ser o general Richard Nunes e foram desencadeadas ações conjuntas com maior frequência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia