Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 02/03/2018. Alterada em 01/03 às 22h44min

Juízes aprovam paralisação no dia 15 contra fim do auxílio-moradia

Após consulta à categoria, os juízes federais de todo o País aprovaram paralisação nos trabalhos no próximo dia 15 de março. A informação foi divulgada pela Associação dos Juízes Federais (Ajufe). De acordo com nota da entidade, 81% dos 1.300 votantes concordaram com a greve de um dia. "A indignação contra o tratamento dispensado à Justiça Federal se materializou", diz a nota. Mais de 17 mil juízes, desembargadores e ministros de tribunais superiores recebem auxílio-moradia no país, com valores de até R$ 4.377,00 mensais.
Os juízes protestam contra o risco de perderem o auxílio-moradia e alegam que estão sendo vítimas de perseguição por conta das decisões duras contra autoridades investigadas por corrupção. Os juízes alegam que a perseguição aos juízes é semelhante a que os magistrados sofreram na Itália após a "Operação Mãos Limpas".
"(...) a forma encontrada para punir a Justiça Federal foi atacar a remuneração dos seus juízes", diz o documento, assinado pelo presidente da Ajufe, Roberto Carvalho Velloso.
A nota defende o pagamento do auxílio-moradia aos juízes brasileiros, e sustenta que benefício semelhante é pago a outras categorias, mas só os magistrados estão sob risco de perdê-lo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia